Avançar para o conteúdo principal

Viagem ao miolo de Cabo Verde

Foto: Jorge Marmelo
Crianças di praiaCabo Verde não é África, lemos e ouvimos dizer por mais de uma vez. É capaz de ser certo. Mas “nun tardinha na kambar di sol”, conforme diz uma morna de B. Leza, vendo os rostos dos negros brincando na areia escura das praias da cidade da Praia, conversando com os camponeses que regressam das fazendas da costa Leste da ilha de Santiago, com as moças equilibrando baldes de água no alto da cabeça, ou deixando o olhar flanar pelos mocetões que fazem ginástica diante do mar da Laginha, no Mindelo, apetece que África pudesse ser toda como Cabo Verde. Pobre, é certo, mas também morna, amena, bela, sem pestes nem guerras. “Terra sabi”, como no poema de Joaquim Manuel Andrade.
Os turistas são como são. E, quando se lhes fala de Cabo Verde, imaginam, como se acometidos por um reflexo pavloviano, praias de areia branca e mar azul, habituados que estão aos folhetos turísticos dos operadores que instalaram nos arredores de Santa Maria do Sal uma cidade de hotéis e “resorts”, “bungalows”, lojas de “souvenirs”, apoios de praia, estabelecimentos de aluguer de pranchas de surf e “buggies”, lambretas e bicicletas. O paraíso turístico, tal como o imaginam os ocidentais nos seus mais plastificados sonhos, existe também em Cabo Verde, rodeado, porém, de um terreno árido e desértico, onde quase nada medra. Tão inóspito que parece bonito.
O paraíso turístico existe e, diga-se, ainda está a crescer. Nos próximos meses deverá, por exemplo, abrir o gigantesco e pavoroso Club Hotel Riu Funana, com duas mil camas e a arquitectura de Medina árabe que um grupo económico espanhol teletransportou para o deserto da ilha do Sal. “Porque é que eles (os italianos) não pedem para nos fotografar?”, pergunta, visivelmente irritada, Liliana, de 13 anos, depois de, com um irmão mais pequeno ao colo, ter sido rodeada por um exército de câmaras fotográficas. Dizer o quê? Afixado com fita-cola na parede do fontenário da vila portuária de Palmeira, um cartaz anuncia o “grande espectáculo” de Nelo Jackson, imitação local do norte-americano Michael. Os italianos passam à margem.
Para aqueles que viajem para “Kabiverdi” para conhecer Cabo Verde tal como o país de facto é, está, portanto, na hora de fazer como o capitão Kirk no série televisiva “Star Trek” e pedir: “Beam me up, Scotty”. Ou, melhor ainda, entrar num barco ou num dos acanhados ATR-42-300 da TACV que asseguram as ligações aéreas entre as ilhas e ir à procura do espírito da “morabeza” e de tudo o que de mais autêntico existe nestes nove grãos de terra semeados no Atlântico: grogue, ponche, sopa loron, cachupa, atum, fontenários, camiões-cisterna, mangas miúdas, mornas, vinho do Fogo, coladeiras e sorrisos alvíssimos. “Tut dret?”. Bate tudo certo, sim. O povo de Cabo Verde é pobre, mas tem a maior das riquezas: sabe sorrir. Leia Mais

Texto de Jorge Marmelo, publicado no suplemento Fugas do Jornal Público, no dia 26 de Agosto de 2005.

Comentários

Silvino Évora disse…
Um belo olhar sobre o arquipélago. O autor conseguiu transportar-me para dentro da atmosfera global cabo-verdiana.
Bons "Momentos"

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945