Avançar para o conteúdo principal

Parabéns, Raíz de Polon

Raiz de PolonSe o número 13, para determinada cultura, pressupõe azar, ele não o é com certeza para o Grupo Raiz di Polon. Treze anos depois da sua criação, na Cidade da Praia, ele permanece na linha de frente da dança cabo-verdiana, acaba de ser condecorado pelo Governo por mérito cultural e de ser seleccionado para representar Cabo Verde no Festival Internacional da Francofonia, evento a ter lugar em Niemey, capital do Níger, em Dezembro próximo.
Mas o ano de 2005 diz mais. Afirma que o Grupo andou em digressão pelo mundo Europa e África, sobretudo), participou no projecto UNIVERSOS, ao lado do Mário Lúcio, apresentou coreografias com Herbin "Tamango" Van Cayseele, das Guianas Francesas, considerado o maior bailarino de sapateado da actualidade e teve os melhores elogios da crítica internacional. Não será demais afirmar que, depois de Cesária Évora, a Diva dos Pés Descalços, nenhum outro fenómeno amplia mais a cultura cabo-verdiana pelo mundo como Raiz di Polon, levando na bagagem a dança, a música, a língua, a literatura e a dramaturgia de Cabo Verde. Mano PretoO leader incontestável do Grupo é Mano Preto que fundou, em 1991, com mais três bailarinos, o Raiz di Polon, no qual tem participado como coreógrafo, bailarino e produtor. Desde o início, o Grupo teve uma dinâmica de crescimento muito própria. Dividido entre a componente performativa e a pedagógica, Raiz di Polon marcou o seu espaço de valência cultural já pelos seus fundamentos. O entusiasmo, a comunicabilidade e a alegria foram o apanágio desse colectivo que se afirmava como uma outra forma de estar na dança tradicional cabo-verdiana (recriando o batuque, funaná, colá, coladeira, morna e demais estilos).
Depois do projecto “Dançar Cabo Verde”, em 1994, Mano Preto e os membros do Raiz di Polon embarcaram para um caminho sinuoso, mas extremamente gratificante, na busca de novos horizontes para a dança cabo-verdiana.
Em verdade, foi um momento de viragem, do tradicional para o contemporâneo. O Grupo passa, doravante, a pesquisar as raízes da dança cabo-verdiana, mas a apresentá-la a partir de novos paradigmas que transcendem rótulos e géneros, que se espalham por todas as regiões do mundo, que abrigam de tudo, e que se transformam de modo permanente.
Outro momento determinante foi a produção da “CV Matrix 25”, em 2000, depois das emblemáticas Pêtu” e “Uma História da Dúvida”. Impacto que só encontra paralelo na peça “Ruínas”, de 2004, mas ainda em cartaz, que marca o ápice da maturidade do Raiz di Polon.
Todavia, neste momento, o grande questionamento tem a ver com a sustentabilidade do projecto Raiz di Polon. A preocupação se a dança consegue sustentar os bailarinos e toda a equipa de produção, bem como os seus desafios que hoje transcendem as fronteiras de Cabo Verde.
A par do desafio, por vezes exasperante de sustentabilidade, fazem a 14 de Novembro 13 anos desde que o Grupo se estreou. Obra e graça não faltam a esses dançarinos…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945