Avançar para o conteúdo principal

Omar expõe no Tabanka Mar


“Depois da Chuva” é o título da sétima exposição fotográfica do realizador e fotógrafo cubano, Omar Camilo, residente em Cabo-Verde há três anos.
Depois da chuva é o mesmo que dizer quando acaba a esperança, quando as brumas do tempo se fazem presente, quando o homem se perde no meio ao tudo que o rodeia. É o meu olhar sobre o mal que o homem está a causar ao seu planeta, diz.

Depois da Chuva fecha uma tríade crítica, e sucede a mostra pessoal do artista - Ultimas Noticias da solidão - e uma mostra conjunta sobre o Meio Ambiente, que sintetiza o seu olhar sobre a relação do homem com o universo. Uma relação que desafia o sagrado, a esperança, e deixa um vazio, depois da chuva.

Um encontro com a imagem. Mais do que uma simples mostra fotográfica. É assim que Omar Camilo define esse rasgo estético. Uma exposição conceptual, recheada de símbolos com contornos universais.
Como um lápis, num primeiro olhar tão familiar, que homenageia Pablo Neruda com Los versos del capitain, na mesma linha da homenagem feita na sua exposição anterior, à pintora mexicana Frida Kahlo.

À par do primor estético, a mostra assume uma condição desafiadora.
Depois da Chuva é uma exposição pouco convencional na sua forma. Omar Camilo divide a cena com o arquitecto, Hélder Monteiro, que participou como amador na mostra sobre Meio Ambiente, parte desta tríade, patrocinada pelo Centro cultural Francês.

A exposição é composta por trinta e duas peças, 18 de Omar Camilo, e 15 de Hélder Monteiro, e será inaugurada no espaço Tabanka Mar, na Prainha, na próxima sexta-feira, às 18 horas e trinta minutos.

Comentários

Kamia disse…
Olá. Poderias me dizer qual é o horário da exposição? Fui lá no sábado á tarde e encontrei-a fechada...
Bom trabalho.
Pura eu disse…
Olá, Kamia.

A exposição está aberta ao público apenas à noite, infelizmente. Em principio, será transferida para a Biblioteca Nacional, e estará, assim, acessível durante o dia.

Bom trabalho

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945