Avançar para o conteúdo principal

Para além da arte



O livro Kab Verd Band do jornalista, Carlos Gonçalves, tem como mérito trazer a questão musical da perspectiva não só de um músico, mas de um musicólogo. Diferenciar esses dois espaços terá sido o grande desafio com que o autor se terá deparado ao longo das suas pesquisas e dos seus escritos, aspecto que não deixará de saltar à vista do leitor mais atento. Abordar a música, para além da arte, mas assente na ciência, nos recoloca a novos olhares da música cabo-verdiana contemporânea. A todos os títulos, importa ler este livro, tal curiosidade levou-nos a entrevistar o seu autor.
Que razões o motivaram para um olhar científico, acrescido ao seu olhar artístico sobre a questão musical?
Esta é uma questão difícil de responder em poucas palavras. Julgo que na introdução ao livro respondo a esta questão em pormenor. Mas vou dizendo que foi um processo... primeiro fazia programas e escrevia sobre música por uma questão artística, mas a pouco e pouco foram surgindo questões e eu queria saber as respostas... E foi na procura das respostas que acabei por vestir um pouco a pele de investigador... Mas considero-me um curioso que quiz compartilhar com o grande publico muitas respostas que fui encontrando... ao longo da minha vida profissional.
Como foi o processo de pesquisa para a escrita de Kab Verd Band? Que desafios enfrentou?
Bem, Kab Verd Band é antes de mais uma compilação de muitos escritos que fui produzindo desde 1975 até sensivelmente 1996. Como digo na introdução do livro, depois de ter classificado toda a documentação que eu tinha guardado, verifiquei que faltavam algumas respostas, alguns elos.... Fui então à procura das respostas. É o caso dos capítulos sobre os géneros musicais, onde andei à procura de respostas. Mas as respostas não são definitivas, trata-se apenas do começo de uma grande aventura, pois eu esboço caminhos, indico pistas... aos mais jovens e mais curiosos que continuem à procura e a investigar.
Como encara a música cabo-verdiana nesta era contemporânea? Quais são os seus grandes desafios?
Olha toda gente anda neste momento apreensiva, com o Zouk, o Rap e o Hip Hop etc. A grande verdade é que ao longo dos tempos desde o século XIX, que esta preocupação tem perseguido a música de Cabo Verde. Mas a nossa música sempre tem resistido... digo tem digirido toda as espécie de influências e aí é que está a sua vitalidade. Devemos lembrar que a nossa cultura é fruto do cruzamento de diversas culturas, um processo que julgo continua nos nossos dias... a verdade é que as influências forçadas acabam por ser rejeitadas... é o caso de músicos que fazem experiências forçadas (tentando inovações) que não pegam... Olha lembro-me agora, num artigo escrito em meados dos anos 90, eu perguntava: Quem será o Carlos Alberto Martins dos anos 90? Qual será a próxima revoluçao? A resposta surgiu nos finais dos anos 90 com Orlando Pantera e a eclosão da moda do Batuque... Portanto, há-de surgir novidade e inovação nos próximos tempos.
A música ocupa um lugar destacado no mosaico cultural de Cabo Verde. A que se deve esta força?
Julgo que só agora é que nos tomamos consciência da força da nossa música, a potência que nós somos, porque antes, havia a noção do clássico... a literatura era arte nobre, a música nobre seria a música clássica e nós não tinhamos a música clássica, música erudita.... É após a independência que surgem movimentos, por um lado de valorização do tradicional (criar uma nova música para sair do binómio estreito Morna-Coladeira) e por outro visando criar uma música erudita ou então uma música segundo as últimas correntes estéticas em voga pelo mundo (caso de Vasco Martins que começa primeiro com o clássico "tout court" e depois se envereda por outras linguagens). Mais tarde, depois do sucesso do movimento de revalorização do tradicional (movimento Funaná) e o triunfo do "pau e corda" (Cesária e o binómio Morna-Coladeira), a força da nossa música revela-se com tal amplitude que ultrapassa outros géneros artísticos... O trabalho abnegado de muitos músicos e compositores, o seu talento, aliado a grandes intérpretes, o profissionalismo, uma abertura de horizontes e muita ousadia, julgo está na base deste destaque da música de Cabo Verde.

Lançamento: 7 de Dezembro, Quinta-Feira, 18:30, Centro Cultural Português
Apresentadores: Manuel Brito Semedo e José Maria Semedo
Edição: Arquivo Histórico Nacional
Distribuição: Biblioteca Nacional

Comentários

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945