Avançar para o conteúdo principal

O eu, o Outro e o Colectivo

ExampleLedo engano esse de considerar o meu blog egocêntrico ou umbigocêntrico. Eu personalizo alguns posts na primeira pessoa, por opção estilística ou outra igualmente legítima. Tenho plena convicção de que nunca me resvalei pelas minhas intimidades. Não faço pensamento, nem discurso excludente. O meu eu não se reserva centrico e absoluto, excluindo o Outro e o Colectivo...
Ademais, quando alguém vai a uma aldeia remota e escolhe falar da vida de uma Joana e dos seus filhos, a ideia é falar da mulher ou das familias daquela região, por exemplo. Importa saber ler em perspectiva e em circularidade. São recursos que convidam, são opções que se fazem, principalmente quando se escreve com a intenção primeira de se comunicar.
Em verdade, este discurso do eu, não esgota o discurso do Outro. O pecado estaria na exclusão também do meu eu. O discurso que excluisse liminarmente o meu eu seria absolutista e fascista. Assim como seria oligarca o discurso hegemônico e exclusivista do eu em detrimento do Outro e do Colectivo. Visão monolítica essa de defender o predomínio do eu, do Outro ou mesmo do Colectivo.
Quando falo de mim, eu me posicioso no mosaico de todos, no direito à cidadania que me assiste e à sensibilidade de que não abro mão.
Não apreciei a classificacão aqui feita e não a assumo. Os Momentos é um espaço híbrido de comunicação... não para a promocão do meu ego, mas para as causas que descortino. A socialização de informação (ainda que, por vezes, personalizada) me parece ser a marca dos blogs, e não a egolatria dos seus donos. Seria bom que esse equívoco se desfizesse...

Comentários

velu disse…
Margarida, como leitora assidua de teu espaço, devo dizer, que concordo plenamente com tua resposta! Aliás, já me havia feito espécie, essa classificação da Kamia... mesmo incluindo sua pessoa, não concordei! A egocentridade condenada me pareceu por demais exagerada! Mas não creio que ela tenha tido intenção de denegrir nenhum dos blogs mencionados, porém, a cautela é necessária.
Continua na tua linha, que vais muito bem.
Abraço,
kanuthya disse…
Não desisti de ter a sua colaboração, por isso conte com um novo email aborrecendo-a e suplicando que espraie essa escrita bonita por outros locais :)
Pura eu disse…
Exactamente, Vera. Acredito que a intenção não tenho sido essa, mas ... obrigada por cá vir sempre. Eu tb aprecio os bons fluídos do teu blog.

Kanuthya, aquilo ainda está de pé?! Conto com a sua pressão, então :))

Bjinhos às duas, e votos de boa semana para todas nós.
Eileen disse…
Bela escrita! Tão elaborada...
Pura eu disse…
Obrigada, Eileen
Abraço.
Há realmente um equívoco que precisa ser desfeito ( se calhar até dois...). A Margarida não percebeu (mais uma vez)que eu escrevi aquilo com ironia. Se há alguem que poderia ter ficado chateado com o texto era o Abrãao porque eu ironizava com a sua afirmação de que não criara ainda um blog pq de certo modo estaria a evitar esta forma egocênctrica/Umbicocêntrica de expor as suas ideias. As palavras tomei-as emprestadas ao Abrãao e o sentido da frase era mangar com o ele como quem diz: "Ah, o teu blog não vai ser egocêntrico/umbicocêntrico como os que já existem, é?"
Eu compreendo que nem sempre se consegue perceber o sentido irônico duma frase escrita,mas pelo facto de eu e tu convivermos de perto e de dois dias antes do meu post termos estado a rir do comentário que alguem tinha deixado no teu blog a dizer que escrevias para o umbigo ( e tu que até disseste " este é um blog pessoal portanto posso bem escrever para o umbigo")considero que no mínimo poderias ter esclarecido o sentido da frase comigo antes de criar este drama.
E por alguma outra razão (se calhar o facto de dizeres a um dos comentadores que acreditas que eu não tinha intenção denegrir os blogs mencionados) parece-me que aquele meu comentário...foi só o pretexto que te faltava.

E vejam só, isso já lá vai e só hoje é que eu fui dar pela coisa...


Eileen, querias dizer que concordas com a Margarida,não é? Dzel nas claras mnina!Não há problema nenhum.
mats disse…
... terrinha pequena a nossa cabeçinha, adoramos classificar ... concordo contigo, Guida ... a escrita é um exercício de liberdade, mas é preciso ter cuidado de facto, como sublinhou a Vera... um abraço e que venham mais momentos teus, Guida, nós que te apreciamos agradecemos! Mats

PS: Pela Claridade Incandescente, os meus parabéns... oásis de qualidade e sobriedade na TCV.
Pura eu disse…
Mat´s, adorei a visita... pena que nos deixaste!!!

Claridade Incandescente está praticamente a terminar... Obrigada.

Um beijo

Kamia, a Margarida e muitas outras pessoas não detectaram a tal ironia a que te referes... o deslize não foi nosso, portanto. O meu post tenta esclarecer o equívoco no fórum onde acontece, e não mais do que isso.
Eileen disse…
Ué, Kâmia, em querendo dizer que concordava, tinha dito... Na verdade, nunca parei para pensar se Soncent é ou não egocêntrico e não tenho problemas em que seja. O que queria dizer foi exactamente o que disse: Escrita elaborada...

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945