Avançar para o conteúdo principal

Serviço público: da repetição à verdade

imagem





















Há cerca de dois anos, um autarca dissera, pela comunicação social, que os jornalistas tinham por dever ajudar os políticos a governarem. Imaginei que na semana seguinte surgiriam artigos e mais artigos a desancarem no edil desabrido, mas nada aconteceu. O que se lê regularmente são artigos de opinião criticando uma ou outra peça emitida pela rádio e TV públicas, mas nunca uma análise de fundo e honesta a debruçar sobre a rede que emaranha esses mesmos órgãos, onde as falhas são culpa e responsabilidade de ninguém. Ou de todos, o que dá no mesmo.

O que se percebe nas entrelinhas de tais artigos é uma acusação directa ao desempenho dos profissionais, (somos considerados todos uns incompetentes) até porque esses articulistas são, na sua maioria, aspirantes a políticos, quando não ex-políticos, da situação e/ou da oposição. Esses mesmos que, quando governam, “governamentalizam” os órgãos públicos.

Essa viciosa relação (que mata o brio profissional e atrapalha as regras do jogo) não se restringe à política. Também as várias associações (que deveriam serenamente fazer o seu trabalho) justificam os fundos instrumentalizando os órgãos públicos. São os institutos que lançam projectos e programas (alguns que nem chegam a ganhar corpo) e que entram em parafuso se os seus actos não são noticiados. Para além das muitas agendas do executivo, do legislativo, do judicial e até do religioso (tidas como de interesse público) que são drenadas para a imprensa de forma acrítica e descriteriosa. Estes mesmos que se queixam da falta de investigação, quando na verdade não são receptivos às agendas dos órgãos da imprensa.

A verdade da repetição

Há poucos dias, li um artigo sobre outro assunto e retive a seguinte frase: “o perigo de uma ideia, (diria acto, aqui) repetida até à exaustão, é ela acreditar-se verdadeira” (isto é, tornar-se um hábito). Esse “hábito instalado” e insidioso que domina/desvia as atenções emerge como um dos maiores “problemas” dos órgãos públicos em Cabo Verde. As agendas não são consensuais entre os profissionais (horizontal e verticalmente); as redacções são atrapalhadas (e quem de direito não as endireita) absolutamente propícias aos atropelos das regras do jogo.

E quem deve agir?

Os equívocos perante o binómio Estado/Governo não existem apenas em Cabo Verde. Para regular e estabelecer parâmetros sobre tais equívocos existem, (ou devem existir) (e quando os há, deles se espera actuação), no caso da Comunicação Social, as Altas Autoridades, os Conselhos, as Associações de Classe, e, em algumas realidades, os Observatórios de Imprensa e os Ombudsman (Provedores dos Leitores, juntos aos órgãos). Sem uma “regulação” (não confundir com “instrumentalização”), e nesse “emaranhar das regras do jogo”, muito pouco se pode fazer.

Uma Nota

Paulo Markun, jornalista, actualmente Presidente/Director da TV Cultura (Órgão público do Estado de São Paulo) vai falar sobre o Serviço Público de Televisão na Reitoria da Universidade de CV. A conferência acontece no dia 12/2, pelas 18 horas.

Comentários

Edy disse…
Muito boa critica às criticas "ocas"...devias,ou melhor,ficas a dever aos teus leitores um desenvolvimento mais pormenorizado do 1 e 2ª ponto deste post...
Amílcar Tavares disse…
Olá!

Acho que, fundamentalmente, os partidos têm que sair das redacções dos media.

É vergonhoso. E ainda se gabam de "termos uma democracia exemplar..."

Basta!
Inteiramente de acordo MF. As possíveis soluções (tentativas de melhoria) eram para 'ontem'... mas parece que o 'hoje' ainda não chegou. E a culpa é mesmo de todos, enquanto os 'hábitos se cristalizam' (tornando-se verdades) e impedem a caminhada. Revolução na àrea precisa-se! Mas, ela só seria possível... com a vontade e o empenho de todos (a classe+todos os outros sectores desta sociedade cabo-verdiana). A esperança - que é a última a morrer... 'amarelou'. Sonho que um dia...

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…