Avançar para o conteúdo principal

Banderona 2009: pinceladas

Banderona 2009



















Terminou ontem a Banderona 2009, aquela que é considerada, pela sua duração, a maior festa tradicional de Cabo Verde. A comemoração deste ano, ocorrida em Campanas Baixo, Fogo, aconteceu em homenagem a Nhô Mulato, cordidjeru di Banderona por mais de 80 anos, falecido no ano passado. O festeiro deste ano foi João Fontes, neto de Nhô Mulato que decidiu em nome do avô e da tradição resgatar todos os pormenores desta manifestação cultural.

Houve muita talaia baxu nos finais de tarde durante os 23 dias em Campanas Baixo, e nos últimos três dias Nênê di Codé dava o mote às noites de baile animadas pelo grupo tradicional Côrda Campana, e por artistas vindos dos Estados Unidos. Ouvir Nené di Codé, homem dos seus mais de 80 anos, foi para mim uma descoberta e arriscaria chamá-lo rei di talaia baxu; um homem de forças, antigo pescador que canta e encanta num misto de força e mágoa. Há muito não cantava nesta Bandeira.

Os 23 dias de festa são feitos de pilão e muito cola. Nos últimos três dias o ânimo se aproxima do Santo. O ritual de Matança, um dia antes do dia grande, é um dos momentos mais esperados da Banderona.

O Festeiro do próximo ano vai ser Meliciano Pina, um outro filho de Campanas. De recordar que tomar bandeira é um acto de fé que honra uma promessa, mas também um gesto de afirmação social. Daí que nos últimos anos a Banderona tem sido tomada apenas por emigrantes; em regra, pessoas com alguma posse.

Recorde-se que esta bandeira surgiu através de uma brincadeira de crianças há mais de duzentos anos na zona de Campanas Baixo. As crianças pertencentes a três famílias dessa zona teriam fincado um mastro de S. João numa ribeira que permaneceu dias no mesmo sítio, apesar de fortes chuvas e ventania. Acreditando tratar-se de um milagre, essa brincadeira foi "levada a sério" por essas três famílias e permanece até hoje com uma forte carga simbólica para Campanas, Fogo, Cabo Verde e o mundo dos emigrantes.

A missa, a cavalaria encenada (porque sem cavalo), o canizade, a fuga do mascarado...

A Televisão de Cabo Verde registou todos os pormenores para um documentário e contará essa história oportunamente aos seus telespectadores.

Comentários

tatiana cobbett disse…
Eh força!!!
Muita saúde e proseridade aos todos e a toda gente ...
beijares meus
tatiana
Pura eu disse…
Pois é, querida!

Uma força que se renova a cada Fevereiro...

afagos campanares

margarida

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945