Avançar para o conteúdo principal

Bully Cibernético, não!

pic

























É lamentável assistir ao avalanche de auto nomeados a terem o trabalho de ecoar panfletos digitais sem o mínimo de juízo crítico, com laivos de cinismo travestido de bravura que chega a doer.

A propósito desse e-mail anónino que anda a circular na rede e mereceu alguma publicação, ocorre-me uma entrevista sobre os blogues em que uma colega me perguntava sobre a necessidade (ou não) de um código deontológico dos bloguers; entendo que a dinâmica do meio vai influir na reconfiguração da sua gramática, mas essa é uma outra história bem diferente.

Antes disso, bem antes, é primário respeitar a liberdade do outro em qualquer fórum público: o pacote inalienável pressupõe ter argumentos para acusar, ter uma fonte (ainda que anónima para o leitor, mas conhecida do publisher), e permitir a reacção do(s) acusado(s).

A credibilidade de qualquer informação (incluindo nos blogues sérios) parte dessas premissas alicerçadas na ética e na responsabilidade que não devem nunca ser confundidas com falta de coragem, ou interesses outros.

Runheza, ou desaviso?! Fica a dúvida, entretanto!

Comentários

João Branco disse…
Margarida, compreendo o teor do teu post, aliás no mesmo comprimento de onda do que escrevi no Café Margoso. Quando aos códigos blogueiros para mim é muito simples e é baseado numa teoria com mais de 200 anos: selecção natural. Os melhores ficam, os outros podem ficar, mas ficam a falar sozinhos. A liberdade é a de quem seleciona os endereços para ir a cada lugar. E ninguém vai onde não sente bem. Abraço
Pura eu disse…
João, relativamente ao código blogueiro, concordo contigo.

No que toca a este e-mail plantado, infelizmente, a seleção é tudo, menos natural, (tanto é que o emissor sem rosto está a atingir os seus objectivos: disseminar dúvidas, e criar especulações).

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945