Avançar para o conteúdo principal

Eu aqui me despeço

Voltei















Eu me despeço.
Volto à minha casa, em meus sonhos.
Volto à Patagônia, aonde o vento golpeia os estábulos e salpica de frescor o Oceano.
Sou nada mais que um poeta: amo a todos, ando errante pelo mundo que amo.
Em minha pátria, prende-se mineiros e os soldados mandam mais que os juízes.
Entretanto, amo até mesmo as raízes de meu pequeno país frio.
Se tivesse que morrer mil vezes, ali quero morrer.
Se tivesse que nascer mil vezes, ali quero nascer.
Perto da araucária selvagem, do vendaval que vem do sul,
das campanas recém compradas.
Que ninguém pense em mim.
Pensemos em toda a terra, golpeando com amor a mesa.
Não quero que volte o sangue...
a molhar o pão, os feijões, a música:
quero que venha comigo o mineiro,
a criança, o advogado, o marinheiro, o fabricante de bonecas.
Que entremos no cinema e bebamos o vinho mais tinto.
Eu não vim para resolver nada.
Vim aqui para cantar e quero que cantes comigo.

Pablo Neruda

nota pura: A dengue chegou insidiosa, quase anónima. Em pouco mais de três meses provocou estragos generalizados entre nós ... e nem ´Os momentos` conseguiu ficar de fora. Mas já estamos de volta.

Comentários

da caps disse…
Bem vinda de volta!
Votos de muita saúde. A ti e a todos.

Não apanhei (ainda) esta gripe,
mas tenho alguma noção do quão violenta ela é, e sei se demora a recuperar-se dela, mesmo só a parte da gripe, sem a quase letal febre hemorágica.

Não tenhas pressa. Rekupera e volta, que te queremos é cheia de forças :)

Um xi
Pura eu disse…
Valeu da caps! A força que me caracteriza ainda não está totalmente recomposta, mas falta pouco.

A Dengue é uma doença violenta, ataca as essências do corpo humano. Será desoladora a sua instalação num país como o nosso.

Um abraço para ti

Margarida
JB disse…
Boa recuperação e bom regresso.

Com amizade sincera

JB
M.J.Marmelo disse…
Pensei que estavas de férias e, afinal, estavas doente. Espero que te recomponhas completamente e que regresses em força.
Beijo
Amílcar Tavares disse…
Gostei de saber que está de boa saúde!

Não me leve a mal este pedido: fico aguardando um post, contando o relato pois gostaria de ouvir um, na primeira pessoa.
Algumas infos dets doença aqui:
http://dengue-cv.blogspot.com/
Pura eu disse…
Muito obrigada, João!

Jorge, primeiro saí de férias, depois veio a Dengue.

Amílcar, tenho um post sobre a Dengue (mas não é bem um relato pessoal...

Obrigada pelo link, Valdemar Monteiro.

Um abraço a todos

Margarida
Fonseca Soares disse…
Feliz pelo teu regresso (depois da recuperação da saúde)... Com que então, 'pronta p'a outra'? (Deus livre!) Força! e uma saúde de ferro. Abraço
Pura eu disse…
Abraço p ti tb, Fonseca. Estou recuperada, e renovada :), mas não pronta para ...
Anónimo disse…
Esta de arranjares MOMENTOS para te meteres com a dengue é obra. Na vida temos MOMENTOS para tudo, mas esta, francamente, não lembrava ao Diabo, Margarida. Ainda bem que o 'namoro' acabou ... e a bem! Os idefectiveis já tinham estranhado a ausência. Como diria Whitman num belíssimo verso "Não penses que não estou agora junto a ti", mando-te estes outros de um grande poeta:


'corto viaggio sentimentale, capriccio italiano'
6
quero dizer-te: não morras.
Nem me digas quem és, quem foste, como sabes
a língua que se fala sobre a terra.
Ao lume lanço
toda a vontade de viver, ser vivo,
a cautela do ar, ardendo em torno.
Passarei, terás passado em mim, só quero
dizer-te: não morras nunca, agora, nunca mais.
in "Quatro Caprichos", António Franco Alexandre
Anónimo disse…
Esqueci-me de assinar a msg
ZCunha
Pura eu disse…
Cunha, na verdade já estava envolvida profissionalmente com a Dengue :) (enquanto rodava uma Grande Reportagem sobre a epidemia), quando fui picada pelo aedes...bom, deve ter sido amor... mas o namoro, como se depreende, tinha que acabar. As coisas são como são, como dizia o nosso poeta: de todo o modo, quis partilhar Os Momentos com aqueles que sei (estão junto de mim) parafraseando Whitman ...

belíssimo "Quatro Caprichos".


valeu a recepção,

um grande abraço

Margarida
Anónimo disse…
Oi Magui,

Eu tambem estranhei a tua ausencia, nem se estivesses de ferias( e sabia que ias tirar) sabia que nem que fosse so um post iria dar no teu blog ou entao nao serias a apaicoanda pela escrita que eu onheco.

Fiquei surpresa, mas gracas a Deus que ja passou e com a bencao de nao voltar nunca mais. Boa recuperacao.

Beijinhos e muita forca, sim.

Beijinhos

Romira
Pura eu disse…
Um beijo para ti Romira...
I miss you

M.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…