Avançar para o conteúdo principal

Do Jornalismo Cultural




















nota pura 1: Depois de semanas de interregno, passei pelo blog de João Branco e deparei-me com uma entrevista que fizera a Alex Silva no Jornal A Nação. Nela encontro duas questões repetentes nas entrevistas que o autor de Café Margoso tem feito ultimamente, não sei se como jornalista ou como alguém que entende de cultura.

João Branco: Costuma-se dizer que Cabo Verde é um lugar onde os artistas nascem com demasiada facilidade por via da comunicação social...

Alex Silva: A comunicação social tem uma grande responsabilidade no actual estado de coisas. Não sabem diferenciar, não há especialização, acabam por gerar mal-entendidos. Vê-se um miúdo a tocar e temos a comunicação social a dizer que é dos melhores guitarristas de Cabo Verde. Não há pessoas formadas nessa área cultural. Especializadas nessa área. Um jornalista que muitas vezes está a entrevistar um jogador de futebol é o mesmo jornalista que vai entrevistar um artista. Acaba por ser natural que ele tenha as suas limitações.

João Branco: Isso passa pela falta de formação em jornalismo cultural...

Alex Silva: Exactamente. Ou seja, existem uma série de elementos que são importantes e não são considerados hoje. Não basta haver produção artística. Não basta que esta tenha qualidade. Tem que existir todo um acompanhamento. Na comunicação social tem que haver gente especializada. Tem que haver ao mesmo tempo curadores, tem que haver críticos, quer dizer, faltam todos estes elementos que poderiam contribuir para que pudesse haver em Cabo Verde um pensamento voltado para a arte.


nota pura 2: Nunca cheguei a perceber o que João Branco pretende alcançar sempre que se refere a uma formação em jornalismo cultural: essa afirmação é outra das situações cabo-verdianas que também provocam as suas confusões na cabeça das pessoas, e talvez seja por isso que temos assistido, impávidos e serenos, a muitos artistas a fazerem jornalismo porque entendem de cultura. Uma situação diametralmente proporcional aos jornalistas que falam de cultura sem saber do que estão a falar.

O jornalismo cultural (ainda que esteja na génese do próprio jornalismo) consta, enquanto disciplina, do currículum das escolas e faculdades de comunicação/jornalismo de todo o mundo, assim como comunicação política, comunitária, e outros campos pertinentes. A especialização de que tanto fala João Branco acontece, se quiser, a partir dessa base, começando pelo interesse do estudante, passando, posteriormente, pela dedicação do profissional, que vai depender completamente da orientação e organização das redacções. As abordagens mais densas, subjectivamente elaboradas, (para além do narrar para todos os públicos os bens culturais) entendeu-se (quando no século XVII o jornalismo tornou-se um campo) reservar aos espaços de crónica, normalmente feitos por jornalistas/escritores, artistas e críticos.

Portanto, não existem profissionais do jornalismo em Cabo Verde inacessíveis às coisas da cultura, assim como não existem incompreensões absolutas relativamente a outras matérias sociais (no senso objectivo do termo). As lacunas que existem, todos os extremos aqui apontados, são o espelho da falta de rigor, de definição e de agressividade editorial reinantes em alguns órgãos de comunicação deste país. E, mais, não é invertendo os papéis que haveremos de resolver o problema.

Comentários

Edy disse…
Uiii!!!Ao que parece,o jornalismo económico deve ser um lugar reservado exclusivamente aos formados em economia,só deve escrever sobre desporto um jornalista que saiba jogar futebol ou basquetebol ou que o jornalista político tem de ser formado em ciência política...qualquer dia alguém vai defender que um entrevistador tem de ter uma especialização em qq coisa...
para terminar,só uma sugestão: devias,ou melhor,deves escrever um post a explicar porque em cv "os artistas nascem com demasiada facilidade via comunicação social".Sem dúvida,daria um post interessante para debater..
pura eu disse…
a Instituição Jornalismo corre perigo por estas bandas a cada dia que passa... e com a complacência de alguns lavradores do ramo...

Edy, a sugestão é boa e vai ser acatada.
Anónimo disse…
Bem verdade.

Parece que, com a mesma Facilidade que por cá se concede passa-se por jornalista.

E mais, Facilidades para 'ser' o que se julga ser, e que dificilmente 'seria' no seu sítio de origem.

E esse tipo de comportamento nada mais é que a sina dos que conseguem coisas com Facilidade.
JB disse…
No início das entrevistas da rubrica Dôs, do jornal A Nação, escreve-se: «Uma conversa quinzenal entre João Branco e um artista cabo-verdiano, em tom descontraído, sobre a arte, a vida e as nossas pequenas inquietações.» e foi pena a jornalista Margarida ter escamoteado esta parte. Naturalmente, não faço as entrevistas enquanto jornalista, não o sou e nunca me assumi como tal. Faço as entrevistas enquanto criador. Por isso o título da entrevista: «Dôs». Dois artistas, frente a frente, falando de cultura e de criação artística.

E penso, modéstia à parte, que o conjunto destes depoimentos podem dar pistas interessantes a quem se interessa por estas coisas da cultura. Incluindo jornalistas de reconhecida competência como a Margarida.
pura eu disse…
Esta não é a essência da questão, Branco, e no quesito proposta da rúbrica, existem decisões questionáveis e bastante discutíveis... (não há escamoteamentos, e sim posicionamento). Eu penso aquilo que escrevi no post. As pistas são boas e figurariam bem numa crónica, meu caro.
Fonseca Soares disse…
Para assinar por baixo em relação à essência do post da Margarida Fontes. Pela simples razão de que, como diz o Edy, se confunde as coisas quando se procura pôr o dedo na ferida das lacunas que existem no nosso Jornalismo Cultural. Lacunas que existem de facto, mas originadas por um sem número de posições e decisões não tomadas por quem de direito. Decisões políticas, na sua maior parte, mas também decisões de chefes de redacção e de profissionais… JB, uma conversa é uma conversa… assim como uma entrevista é uma entrevista. E o ‘Dôs’ tem sido tudo menos uma conversa. Dando uma achega em relação à recorrente crítica em forma de pergunta, da tal ‘facilidade’ dada a artistas, o que falta é uma outra coisa: a crítica. Que é um outro departamento. Além das limitações mil do nosso jornalismo…
Anónimo disse…
Senhores doutores, donos do saber:rubrica de jornal é sem acento no u. Rúbrica, com acento significa assinatura. Não é assim que aprendemos na escola? Eu tenho apenas quinto ano.

Antonio D´Almeida
pura eu disse…
A tua achega é lapidar, Fonseca. Um artista lança um disco, ou faz uma exposição, tem a cobertura informativa: nessa cobertura ninguém dirá que ele é um génio, ou que o seu trabalho não presta... se se tratar de uma pérola no oceano em matéria de escrita, de pintura ou de música há-de aparecer um crítico para dizer da sua justiça, respitando (isso é importante) as balizas da neutralidade e do rigor. Não um critico que decide promover um amigo colega, mas sim fazer um trabalho X....

Sr. António D´almeida, agradeço a sua correcção. Da próxima, esforço-me mais.
Pedro Figueiredo disse…
Margarida, sem dúvida uma alma viva neste cenário de cultura em que a identidade tende a morrer.

Um tal JB aparece, não se sabe de onde e com que background, e já é um ás na cultura em CV. Tem-se mesmo que falar na facilidade com que as coisas acontecem nesta terra. Caramba!!

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…