Avançar para o conteúdo principal

S.João, Brava e Eugénio Tavares

Eugénio A Ilha Brava, fez cair o pano sobre mais uma “Festa de São João Baptista”, celebrada a 24 de Junho. Como sempre, são incontáveis os filhos da ilha, residentes em outros pontos do país e na diáspora, que escolhem a data para visitar os familiares e matar saudades da terra natal.
Mais uma vez, a Câmara Municipal não teve a feliz sorte de passar a bandeira a um particular, o que, do nosso ponto de vista, é preocupante. No Fogo, por exemplo, a passagem da bandeira é um assunto quente devido à longa lista de pagadores de promessas ávidos de serem o próximo festeiro.
É a quarta vez que a Câmara assume a bandeira, mas diz-se orgulhosa e encara o acto como um incentivo à tradição local. Esse “impasse”, dizem muitos, poderá ser o reflexo do desânimo das gentes da Ilha de Eugénio Tavares. Sem infra-estruturas básicas, como ligação marítima, por exemplo, falar em turismo, emprego e desenvolvimento é uma miragem. O sentimento de abandono e marginalização da ilha é generalizado. Por outro lado, muitos atribuem esse desinteresse dos naturais da ilha pela Bandeira aos elevados custos que acarreta, hoje em dia, uma festa desse tipo.
Outra realidade chocante na Ilha Brava é o estado em que se encontra a casa de Eugénio Tavares. Conhece-se, de ouvido, muitos projectos à volta da casa de Nhô Eugénio, mas até hoje não se viu algo de concreto. A casa é parcialmente habitada. A parte que permanece fechada é cedida, com frequência, pela Câmara Municipal aos jovens para fazerem bailes. O dia que lá estivemos o espaço estava cheio de panelas, restos de comida, e um cheiro a cerveja passada que dá dó. Resquícios de uma noite de festa.
Vivos aplausos merecem, entretanto, “Os amigos da Brava nos Estados Unidos” com destaque para João Freire (João de Ida), actualmente, residente na Ilha, que, em parceria com a edilidade, tudo fizeram para que a figura de Eugénio Tavares fosse lembrada através de um busto colocado na Praça da Vila Nova Sintra. Praça, aliás, que recebia muitos cuidados de Eugénio Tavares. Isso, pudemos conferir num retrato do coreto da praça, tirado em 1927, em que Julinho nha Luísa Balala escreve o seguinte no reverso: este ritrato foi tirado por Nho Pansinho de Lessa em 1927, no tempo qui Sr. Eugénio Tavares tomava cuidado com a praça de Vila Nova Sintra".
À espera de um destino está igualmente a casa onde viveu Luís Loff de Vasconcelos. Outro proeminente intelectual que, através da imprensa, assim como Eugénio Tavares, reivindicou a independência destas ilhas.

Comentários

ANDRÉ SETARO disse…
Obrigado pela visita que fez a meu blog. Vim aqui, ao seu, conhecê-lo e o achei muito interessante. Agradeço também ter incluído o meu insignificante blog nas suas indicações. Já o coloquei entre os meus favoritos para voltar e ler, com o vagar preciso, todas as matérias ou, melhor, todas as 'postagens'.
Anónimo disse…
Dizem haver muitos projectos a volta da casa de Eugenio Tavares. Nao eh para se admirar! E como a estatua de Eugenio Tavares...
Passaram decadas e mais decadas a falar na estatua de Eugenio Tavares, ate que os AMIGOS da BRAVA tomaram a iniciativa de levar a frente o projecto do busto de ET e calar de uma vez para sempre a inactividade e o mandar boca de muitos. Depois de tudo estar concluido muitos se puseram a rua em busca de credib ilidade. Eh o aproveitar no trabalho e sacrificio dos osutros...Eh o parasitismo e oportunismo crasso...

Ainda esse grupo que so faz quando os outros comecam tem a possibilidade de comecar e terminar pelo menos uma vez na vida o projecto da casa de Eugenio Tavares. Ou estao a espera que os AMIGOS da BRAVA comecam e terminam o tabalho para que os mesmos individuos se fazem frente e proclamam a honra? Por isso que muitos que tem vontade, querem fazer e nao fazem, por causa do parasitismo e ingratidao de muitos.

Que continuem a obra dos Amigos da Brava!
Anónimo disse…
Verdade pura. Desde os anos do governador Brigadeiro Craveiro Lopes dos Santos se falava na estatua de Eugenio Tavares. Porque esperaram tantos anos pelos amigos da Brava?

Os familiares em particular que se deslocam a ilha Brava a convite do edil bravense com passagens e estadia custeada pela Camara Municipal da Brava deviam ter no minimo a cortesia e a grandeza suficientes de recuperar a casa do Eugenio Tavares. Do que eh que estao a espera? Que os AMIGOS da BRava fazem aquilo que muitos andam a boquejar para depois assumirem credibilidade e honra?

Licao aprendida uma vez jamais sera esquecida...

Chamem os familiares (ricos diga-se de passagem) que fazem algo e levantem o nome daquele que dizem ser um elenco familiar para o bem e honra da cara deles. Eles tambem tem o direito de fazer algo, nao e somente aproveitar do trabalho dos outros!

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945