Avançar para o conteúdo principal

S.Filipe: Cidade de todos os santos

ExampleQuando se fala em S.Filipe pensa-se na sua localização voltada para o mar e nos seus sobrados, pela sua arquitectura, pelo seu urbanismo e pelo seu percurso humano e social. Esse mundo dos sobrados que testemunha um certo drama e uma certa grandeza reclama, entretanto, um tratamento mais dinâmico.
Uma iniciativa de preservação que salta à vista de quem visita a ilha do Fogo é a Casa da Memória da cidadã Suiça Monique Widmer que escolheu a cidade para viver. Situa-se na parte histórica da cidade e é uma antiga casa de habitação e, depois, casa comercial, que serviu, nos anos 60, para projectar filmes, funcionando assim como o primeiro cinema ao ar livre do Fogo.
Desde a sua restauração, em 2001, a Casa da Memória tornou-se num museu incontornável que acolhe em permanência uma exposição etnográfica dos diferentes aspectos da cultura e da história da Ilha do Fogo.
Example
São Filipe também encanta pela força das suas tradições patenteadas na secular presença da Igreja Católica na ilha e num sincretismo denotador de forte resistência cultural, das suas manifestações festivas e folclóricas. Se é que a festa de São Filipe continua viva e pujante, a oficialidade municipal, urge também dar traço portentoso às festas de São Sebastião, São João, S. Paulo, S. Paulinho e São Pedro. Todas estas manifestações culturais são elementos essenciais da montagem de um puzzle cultural que aguarda tratamento adequado. O canizade, por exemplo, está em vias de desaparecer, lembra, Fausto do Rosário, um natural da ilha.
Fogo é uma ilha rica, com imenso filão histórico e cultural para ser explorado. A riqueza depende da capacidade de interpretar e recriar a História, dizia o historiador Correia e Silva.

Comentários

Anónimo disse…
A nossa cidade é mesmo especial. Que saudades tenho. De tudo, das pessoas, de cada sobrado, de cada canto e recanto, do sol a por se por detras da Ilha Brava...
È bom que todos os factores que realmente tornam esta cidade um lugar especial sejam perservados.

Beijinhos,
Katia
Pura eu disse…
De facto dá saudade Katy...há que voltar sempre e respirar os ares da infância e da adolescência. Fazem bem a nós e aos que hoje fazem parte das nossas vidas. Um beijinho... até um dia (não necessáriamente distante)para um passeio pelas ruelas da nossa cidade.
Margott
Matilde disse…
San Filipi é un sidadi kenti y janota. Bu ten razao, Katia: odja Sol ta kanba tras di Brava é espesial, inda más si bu sta sintadu na Altu San Pedro, midjor inda ku un kopu di vinho manecon branku.
Teta, Matilde

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945