Avançar para o conteúdo principal

Ao vivo e aos outros

O músico Mário Lúcio lança amanhã, dia 7, o seu segundo álbum intitulado Ao vivo e aos outros. Um trabalho exclusivamente a sólo (guitarra e voz) que certamente dar-nos-á a conhecer uma outra faceta desse multi instrumentista.

O show de lançamento acontece no Farol Maria Pia, na Cidade da Praia, às 18 H30. Além de canções inéditas, o disco traz-nos novas sonoridades da emblemática Doce Guerra do compositor Antero Simas, e Rifan Baré de Codé di Dona. Hásta Siempre Comandante Che Guevara de Carlos Puebla é outra canção desse trabalho inovador.

Mário Lúcio é um dos fundadores dos Simentera, o grupo que liderou a viragem acústica da música cabo-verdiana, e resgatou uma certa vertente africana (lírica e sonora) da identidade cultural das ilhas. Ao vivo e aos outros é mais uma pedra na carreira a sólo do artista que arrancou em 2004, com o lançamento do disco Mar e Luz. Um trabalho que contou com as prestigiadas participações de Gilberto Gil e Luís Represas.

Farol Maria Pia
Um espaço infinito e enigmático que se ergue numa das pontas da Praia Cidade.

Comentários

Anónimo disse…
Na môsca. Desta vez, a senhora acertou no post. Não desvie do foco, tá bem?
Kamia disse…
Que boa nova! Mário Lúcio's back. Ansiosa por ouvir o novo CD.

Mas porquê 18h30? Não podia ser mais tarde...
Pura eu disse…
Iluminação, se calhar, Kamia... não gostas de final de tarde? Eu adoro!
Anónimo disse…
A menina, que é boa jornalista, tem uma aptidão poética. Muito lirismo, embora isso já esteja superado pelos poetas como José Luis Tavares e outros. Por uma experimentação além dos limites da verbalidade...
Pura eu disse…
Acredita mesmo nesta aptidão? Esse lirismo todo é a minha forma de estar na vida... muito pessoal. Não pretendo ir mais além.
Anónimo disse…
Se lhe falta força anímica, entende-se, pois tem talento de sobra. Em matéria poética e jornalística. Todavia, respeita-se a sua contenção. Cada um sabe de si e com quantos fios cose o seu pano. A menina não vai à África do Sul ao grande encontro dos jornalistas? Está aí um grande lugar para o encontro dos blogueiros.
Pura eu disse…
Tenho ânimo, sim, para fazer coisas e para decidir quando fazê-las.
Quer prefaciar o livro de poemas que tenho pronto?

Não vou à África do Sul. Mas o Sr. devia ir. O tema do encontro tem muito a ver com o seu trabalho. E muito obrigada por prestar tanta atenção em mim.
Anónimo disse…
Mande-me os poemas que prefaciarei o livro. Desconfio que terei imenso gozo a fazê-lo. Quem me dera poder ir à África do Sul e, de regresso, dar uma saltada a Luanda. Parece que Angola está a dar um grande salto nas NTICs. Já não era sem tempo.
Não me agradeça pela atenção. É recíproca, pelos vistos. É à beira do rio que as palancas vão beber. Assim rezam os mais velhos.
Pura eu disse…
Até que enfim! Numa provinciazinha como a nossa Cidade da Praia, manter anonimato não é tarefa fácil. São sei se fui boa nos somatórios, ou o senhor é que deixou escapar demasiadas pistas. O certo é que acabou por confessar ter saudades de Luanda…
Anónimo disse…
Está redondamente enganada, menina. O que terá a ver a minha necessidade de passar em Luanda com alguma saudade recalcada? Não creio que tenha jeito para detective. Para jornalista, não duvido. Para Poeta, talvez. Mas detective, parece que o crime lhe mora ao lado. Frio, menina. Glaciar até...
Pura eu disse…
O sr. não deve subestimar as faculdades desta que insiste em chamar de menina. Desistiu de se identificar? Estava em vias de, mas vejo que mudou de ideia. Preciso do seu endereço para enviar o livro de poesia… an@cv.telecom.cv... an@hotmail.com ou an@gmail.com. Libera o sinal, leitor identificado.
Vladimir disse…
Esse farol é real ou é só o nome do lugar? Adoro faróis! Com música, então... Lembrei que o melhor reveillon foi no Farol da Barra em Salvador. Bons tempos...
Bjs

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…