Avançar para o conteúdo principal

Um domingo qualquer

À primeira vista, e desprevenido, quando alguém se dispõe a assistir Um domingo qualquer de Oliver Stone, acha que vai perder o seu tempo com um filme violento sobre o futebol Norte-americano. Longe disso. O filme tem como pano de fundo os bastidores de uma partida de futebol americano nas suas várias vertentes: a imprensa sensacionalista, as apostas milionárias, os treinos, a vitória a qualquer preço, sonhos desfeitos, a ilusão do sucesso, enfim! Um conjunto de situações que perfazem o apetecível mundo do sucesso.
Para mim, o encanto desse filme reside na narrativa, na montagem, e na actuação de Al Pacino, claro!
Um olhar nada linear, (muito flashback, muito paralelismo) fortemente apostado em planos fechados (expressões, detalhes), uma luz confidente, ritmo, poucos planos abertos (longos). A montagem é de uma mestria tal de que não ousaria aqui falar, mas sim recomendar, por isso escrevo esta nota, e por esta mesma razão volto sempre ao trama.
Al Pacino é o homem de sempre. Agarra para si a história e dita-a até ao final. Toda a actuação dos outros personagens depende da sua ironia, da sua implacabilidade, da sua firmeza. É o risco que se corre quando se tem esse poderoso chefão como protagonista.

Tenho uma grande admiração por realizadores de cinema, e Oliver Stone é um deles. Um autor fechado, de impacto, que mostra a humanidade a partir de uma ruela. Um domingo qualquer é também uma crítica sobre a situação dos negros nos Estados Unidos. Num primeiro olhar não parece.

Da escravatura

Ver o documentário Cabo Verde na Rota da Escravatura, de Francisco Manso, pela descrição franca e humana desse crime histórico, feita pelo historiador António Correia e Silva. Passa sempre na TCV.

Comentários

Kamia disse…
É realmente um bom filme,um dos melhores de Oliver Stone, que se tem espalhado ao comprido ultimamente (vamos lá ver World Trade Center).
Mas não acho que Al Pacino estava muito bem. Achei-o um pouco exagerado, em overacting. O que não quer dizer que não tenha conseguido ser o leading man do inicio ao fim.Oliver Stone sacrificou os rasgos de talento que Jamie Foxx e Cameron Diaz (num dos seus melhores papeis)demostravam cada vez que estavam em cena para dar mais espaço a Al Pacino.Foi pena, mas mesmo assim o filme está bom.

Hugs
Pura eu disse…
É o risco que se corre com Al Pacino, Kamia. Ele é intenso. Apesar disso, Um domingo qualquer é globalmente um grande filme. Da próxima vez vou estar mais atenta à Cameron Diaz... e, mais uma vez, à montagem que nesse filme é uma autêntica escola de narração fílmica.

Beijos
Pedro Moita disse…
Foi bom recordar esse grande momento que hollywood nos trouxe.
É para mim, sem dúvida, um filme a ver para quem gosta de cinema com fortes narraticas visuais.
òptimo som, imagens poderosas e acima de tudo uma montagem de cortar o fôlego.
Faz parte da minha lista dos favoritos.
Vladimir disse…
Esse documentário sobre Cabo Verde me pareceu bem interessante.
Também gosto do Oliver Stone. Estou ansioso para ver As Torres Gêmeas (WTC) que vai estrear neste fim de semana aqui no Brasil.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…