Avançar para o conteúdo principal

Top Criolo


A música cabo-verdiana está definitivamente in top. Vários lançamentos, muitas criações e inovações, ousadias, jovens artistas a despontarem. Ousados são igualmente alguns produtores da praça. O programa da TCV, Top Criolo, apresentou-nos, ontem, Augusto Gugas Veiga. Além de um produtor que podemos apelidar de bom, nunca é demais evidenciar a sua sóbria personalidade: fina estampa, como dizia a minha dor antiga, e ciente daquilo que quer, dentro das limitações de um mercado como o nosso.

Gugas teve um "faro de cão" quando há dez anos produziu os Ferro e Gaita, levando para as ilhas e para o mundo, os sons de um funaná vibrante, uma tabanka que nunca morre, a força de Santiago. Há dois anos, dentre outras ousadias, uniu, num só CD, as vozes dos dois únicos pilares do Finaçon, Nácia Gomi e N´toni Denti Doro. Agora, com uma fina percepção de um novo movimento urbano pungente, está a apostar, inteligentemente, no hip hop. Capital Produções é uma referência na música Cabo Verdiana.

O programa de ontem trouxe uma interessante visão sobre a produção musical nas ilhas, crescente em qualidade e quantidade, pelo que se podia depreender da conversa. O terreno, nesse particular, é fértil, tendo em conta o número de estúdios que vão surgindo por aí, mas os problemas, também eles, muitos são novos. A questão da pirataria é séria, os produtores pedem um sinal de vida da SOCA, enfim, pedem das autoridades na matéria acções consentâneas (sobretudo legais) na eminência de uma explosão discográfica no país (querendo eu falar de indústria).

Voltando ao Top Criolo é desejar mais sorrisos à Carlota Barbosa e à equipa de produção coordenada pelo grande M.C.

Lugares...

... em mim são, porque neles vivi.

Comentários

Anónimo disse…
Tens razão: Gugas é mesmo aquela máquina. O posto está jornalisticamente bem feito. By the way, querias dizer "in top" ou "on top". E já agora, a menina falou de "dor antiga", algum mistério que não se saiba? Perdoe-me a curiosidade, mas as pessoas públicas atraem papparazis. A Carlota, com ou sem sorriso, nunca seria uma boa jornalista. Nada que se compare à menina, Matilde, Rosana, Júlio, Daia ou Leonela.
Pura eu disse…
Se não se importar, ganharia o estatuto de Ombudsman deste espaço, apesar de eu não me assumir, aqui, como jornalista. Eu teria todo o gosto em nomeá-lo. Afinal todos precisamos, principalmente quando nos aventuramos em línguas outras … já agora, quer dizer posto, ou post?
Os mistérios são como são… nem aos mais curiosos se abrem. Menina, eu!? Vejo também que é sincero e sabe reconhecer… é sempre assim, ou contradiz-se de vez em quando? Apareça, de preferência como figura identificada, volto a insistir nisso.
Anónimo disse…
Como me indentificar, se a menina diz que os mistérios são como são… nem aos mais curiosos se abrem? Em verdade, por lapso de língua e/ou de má digitação saiu posto em vez de post. Não tenho pergaminhos para ser Ombudsman do seu Blog, que é interessante. Prefiro ficar como crítico acidental. Sapateiro que não vai além da chinela. Já escrvru poesia? Escreva. A menina leva muito jeito...
Pura eu disse…
Bom fim de semana A..., e bom trabalho, porque sei que, assim como eu, trabalha nos fins de semana.
Vladimir disse…
Hip Hop em criolo deve ser interessante...
Pura eu disse…
Muito...

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945