Avançar para o conteúdo principal

A morte como ela é

Example















Sete Palmos de Terra , emitida todos os domingos, pela TCV: é uma série (a primeira) arrepiante, mas essencial. A cada episódio, a trágica morte de um ser humano (homens, mulheres, jovens, até crianças), sempre igual e tão diferente entre si. Os familiares enlutados que procuram a casa mortuária.
Sempre o mesmo cenário psicológico: uma mãe/viúva irreversivelmente triste, dois filhos (agentes funerários) com seus dramas paralelos, uma filha adolescente, incompreendida e esquisita. A namorada do filho mais velho, que numa apenas aparente secundarização cénica, joga um papel de equilíbrio temático em cada história/episódio.

A vida é uma viagem para a morte, ou, pelo menos, deveria assim ser entendida. É esta a derradeira mensagem da série Sete Palmos de Terra. Esta é, pelo menos, a grande noção que apreendo, sempre em perspectiva, claro está, a cada episódio. O extremismo, a racionalidade, a loucura, o sexo, a desesperança e a sua antítese, são os ingredientes do viver que nos aproximam com mais propriedade à morte. Não há por onde fugir: os dias estão contados para os filhos, os pais, os maridos, as esposas e os amigos, uns de forma mais trágica, outros nem por isso.
A morte em suas múltiplas dimensões: há quem viva a morte, sem sequer aceitá-la; quem a procure em vida; o alucinado que prefere viver para quem já morreu (a retracção psicológica da viúva causada pelas lembranças do marido falecido).

A forma tranquila de encarar a morte também tipifica um certo viver. Quem não receia a morte, vive um tempo diferente, em eterno desencontro face ao mortal que prefere não pressentir o fim. (a incessante tensão entre a Brenda e o namorado – filho mais velho e agente funerário)
Sete Palmos de Terra, em si, é uma obra apocalíptica. Há cenas/temas que predominam, e perpassam todos os episódios. Cenas onde estão de facto os extremos, que uns reprovam e outros adoptam, enquanto estiverem uns tantos palmos acima da terra. (a relação do filho mais novo - foto – também agente funerário -, com os seus namorados gays).

A música: sempre fúnebre, freiante. O cenário: cinzento, limpo... Os personagens: pálidos, e espectacularmente esquisitos. Algum excessivo cliché, diante de algo tão incomensuravelmente natural.

Sete Palmos de Terra, uma verdadeira lição de vida. Do argumentista e director Alan Ball.

Comentários

Romira disse…
Ola Magui!

Gostei muito do texto e concordo completamente contigo, sobre a série, que comecei a ver em Cv antes de vir para a Holanda.
Infelizmente só pude ver dois episódios, mas gracas a Deus pude er o início, pq na verdade já tive acesso a vários episódios mais a frente, mas nunca o tinha visto do início.

Uma serie fantástica! Gosto da forma muito simples com que o realizador aborda os problemas da família e a situacào dos gays.

Ocorre muitas vezes que falas de coisas que mexem comigo, porque sinto-me incluida no que escreves. Desta vez é o caso de me sentir incluida nas pesoas que nào receiam a morte. Para quê ter medo? Mais tarde ou mais cedo ela chega,nào é?! Entào limito-me a viver a vida com intensidade, apenas isso. Que seja bem mais tarde, e mmmmmuuuuiiiittttooo tarde, vou pensar, entào, nela.

Beijinhos pra ti. O teu blog está cada vez melhor.

Tua amiga sempre.

Romra
Kal-El disse…
Olá miuda,
cá estou eu de novo.
só para dizer que gostei deste texto e para te indicar uma série que,a meu ver,retrata em pleno a futilidade do mundo actual.A série é:Nip/Tuck e retrata a vida de 2 cirurgião plástico,os seus problemas familiares,a "futilidade" das pessoas que fazem 1 operação por semana,etç etç...
Pura eu disse…
Querida Romira!

Não sabia que estavas aí...Holanda! É. A série é fantástica, de facto. O realizador tem uma forma pessoal (diria) de abordar conflitos familiares, e aborda o homossexualismo de forma apaixonante.(vale dizer que ele próprio é um homossexual assumido) Lembras de American Beauty? É o mesmo senhor.
O bom mesmo é teres te identificado com o conteúdo.

Meu caro Ka-el: que bom que gostou do texto. Vou tentar ver a série. E essa de miúda, hein!

Um beijo enorme, amiga Romira.

Ka-el só recebe beijo no dia que resolver assinar o seu nome :)
Kal-El disse…
Então miúda!!!???Estás a ser "injusta"...só ganho um beijo teu se assinar o meu nome?E se eu disser que Kal-El é o nome com o qual gostaria que a minha mãe me registasse?eu sei,posso mudar o meu nome agora,mas...Podes procurar o significado/origem do nome Kal-El e,por aí,descobrirás alguma coisa de mim..bjs
Pura eu disse…
ka-el, vou elaborar um plano para descobrir a tua identidade. Mas não quero continuar a ser injusta. Tu mereces um beijo, porque és muito simpático. Todas as vezes que aqui vieres, levas um beijo. promessa. :)
Kal-El disse…
Viva miúda!
vou ganhar um beijo teu todos os dias!!!!Tens é de me dizer se não corro o risco de me transformar num princípe encantado porque,senão,serei um princípe sem o seu reino.
Kal-El é o meu alter-ego,se assim posso dizer...dou-te uma primeira pista:conheci a tua mana que agora está nos eua...bj
Pura eu disse…
Ka-el, a pista que me dás é muito vaga. Mas, em todo o caso, não te preocupes, o nome é apenas um detalhe, e não interfere na essência. Além do mais, tratando-se de alter-ego, só me resta acatar.

Bj
Anónimo disse…
Excelente texto para uma série que é apaixonante. Assisto a série todos os domingos e acesso este blog todas as semanas. Parabéns pelo trabalho. Se te conhecer pessoalmente, te ademiro, e ao teu trabalho também. Tenho algo a dizer sobre a série, mas nao aqui. Força sempre e continue a fazer trabalhos que fazem respirar ar novo no nosso jornalismo.

emerson pimentel
Pura eu disse…
Pimentel, obrigadíssima. Volta sempre.

Margarida

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945