Avançar para o conteúdo principal

Retalhos do tempo

los cubos dela memória


















1. Creio ter já escrito neste blog o meu fascínio pelas tardes. Não propriamente todas, mas principalmente aquelas que me fazem recordar aquele momento único, o entardecer em S. Filipe. A tarde que me pressentia entre a serenidade e a traquinice, entre a tristeza e a alegria. Curiosamente, nunca mais a senti igual. Mas prossigo na busca dessa leveza de outrora. Com esperança…

2. Sou uma mulher de poucos amores (devo ter dito uma blasfémia, mas é a pura verdade). Uma das pessoas que amo de coração completou esta semana 104 anos. Ela é minha madrinha, provavelmente a mulher mais velha de S. Filipe. Um monumento da Cidade. Felismina Mendes é o nome dessa madre, mais conhecida por Nha Filó, a dona de todas as estórias. É ainda lúcida. Mas lembra de cor algumas estórias, que de tanto repeti-las, podem nos induzir ao erro. É do encanto, apenas. A proeza de ter cruzado décadas feitas de tudo.
Ela cultiva uma relação especial com a televisão. As telenovelas, os filmes, o noticiário encantam-na. Nutre uma saudade eterna, pelas estórias que conta, do Dr. Teixeira de Sousa, um amigo e grande médico que também escreveu romances, que ela nunca leu.
Nha Filó é um arquivo vivo, basta consultar. Uma senhora alegre, que nunca teve filhos, mas cresceu com crianças à volta. Hoje, continua assim. Entram pela meia-porta, pedem água, assistem à TV, e depois se despendem. Tê manha nha Filó.
Foi conhecer a América só na década de 80, porque não quis ir antes. Muitos antes, na década de 50, quando o seu pai comprou Ernestina, o barco que cruzava o atlântico com cabo-verdianos rumo à América. O pai, Henrique Mendes e o irmão, Arnaldo Mendes, eram partes da tripulação, e desse manancial de vida, Nha Filó guarda pérolas memoráveis.
Felismina Mendes sempre permaneceu em S.Filipe à espera das estórias que chegavam para depois partirem. E continua lá, à espera do tempo…

Comentários

M.J.M. disse…
Que história linda, Margarida!
Pura eu disse…
Meu amigo, Jorge.
Estas são apenas pinceladas da vida de uma grande senhora.
djoyamado disse…
Oi Margarida


Por falar em Entardecer em São Filipe, ver o dia a morrer lá do presídio tocou-me de tal maneira que acabei fazendo uma música chamada Bila, dedicada àquela Cidade.

Força.
Pura eu disse…
Adoro essa música, Djoy. Estás de parabéns.
Prezada Margarida, não nos conhecemos, mas tenho gostado muito do seu site. mesmo de londe, da distante Miami, dá para matar saudades das coisas da terra, com qualidade e gosto.
Mantenhas,

Alvaro Ludgero Andrade
Anónimo disse…
Realmente o entardecer da nossa cidade é um espectáculo maravilhoso!! É das coisas que mais tenho saudade e de que mais falo.
Não fazia ideia que o pai da Nha Filó foi proprietário do Ernestina:) Ela é um bom exemplo de muitos "arquivos vivos" que temos em São Filipe e que devem, por isso, ser eternizados em livros.

Beijos
Katy
Paulino Dias disse…
Oi, Guida,

Agora deixaste-me arrepiado de verdade. Sabes, tenho um fascínio especial pelo Fogo, já tive a oportunidade de visitar quase todos os seus povoados. Mas tenho igualmente um fascínio que não sei bem de onde veio, confesso, por tudo o que se relaciona com "Ernestina", já devorei quase todo o seu site institucional, que conheci através do blog da Carla Amante, e até hoje gosto de saber de histórias relacionadas. Saber que a filha do dono ainda está lá em São Filipe deixou-me sinceramente emocionado. Da próxima vez que for àquela ilha, vou "cobrar-te" que me faças a ponte com Nhá Felismina, gostaria muito de conhecê-la.

Abraço,
Paulino
Pura eu disse…
Prezado Ludgero, já eu não posso dizer o mesmo. Conheço-o dos interessantes programas que fazia na TNCV. Obrigada pela visita, e volte sempre...

Pois é Katy, a Nha Filó é filha do Nhô Henrique. A nossa ilha é um canteiro de "arquivos vivos". É só pisar as festas das bandeiras, e dar de caras com aqueles tamboreiros e coladeiras, rebentos de várias gerações. Tenho um carinho especial em relação a tudo isso, e algumas ideias...


Paulino, é de arrepiar realmente. Quando fores ao Fogo, deixa-me saber, que te faço a ponte com a ti Filó. De arrepiar mesmo são as suas estórias...

Beijos a todos.
Ricardo Vidal disse…
Querida Margarida,

Sabes, fiquei com vontade de conhecer este entardecer em São Filipe... Sei que as tardes na Colina do Amparo (na minha cidade natal) e nas praias do Porto da Barra e do Bugari (aqui em Salvador) são lindas (pelo meno, pra mim). Mas como será em São Filipe? Com certeza é poema que eu não conheço. Quanto a sua madrinha, qual tal escrever um livro-reportagem (ou um vídeo) sobre ela? Pessoas como ela devem ser preservadas para sempre...
Beijos

Ricardo Vidal
Pura eu disse…
O entardecer em S.Filipe lembra muito o do Porto da Barra.. por aí, dá para sentir a poesia. Anotei a sugestão. Obrigada e grande abraço.
Ricardo Vidal disse…
Quando lançares o livro ou o vídeo sobre tua madrinha, nãoe suqeça de me avisar. Gostaria muito de ler/ver. Beijos de uma amigo

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…