Avançar para o conteúdo principal

Gil desafia a banda

Gilberto Gil
















Um disco sem banda, sem cor, sem limites. São os termos que descrevem Banda larga cordel, o último trabalho do músico brasileiro Gilberto Gil. Em síntese, Gil celebra, encerra, congrega, desconstrói, aproxima mundos, pessoas, ritmos, culturas, sexos. Mas alguém dirá certamente que essa é a marca do baiano mais famoso do mundo. Sim, é. Mas desta vez, Gilberto Gil relativiza ao extremo, esbarra fronteiras, aproxima tudo: está à frente do seu tempo quando canta os novos dilemas da civilização. Os pais estão preocupados demais/com medo que os seus filhos caiam nas mãos dos narcomarginais/ou então nas mãos dos molestadores sexuais/e no entanto ao mesmo tempo são a favor das liberdades actuais ...
As fragmentações, e reformulações de Gil se dão ao nível das letras, e através de uma profunda provocação rítmica que desafia toda e qualquer linearidade. Sente-se isso num arranque manhoso que oscila entre o forró e o reggae, para se entrar num frevo, num baião; de um samba canção, passando por um clássico, para um Sambalanço, de uma bossa para uma balada sambada: não tenho medo da morte, mas sim de morrer/ a morte é depois de mim/ mas quem vai morrer sou eu…
Linha contínua, Gil canta La renaissance africaine en francês num som electrónico: um ritmo open que se pode ouvir sem grandes analogias em qualquer banda do mundo. en europe, en amerique/ c'est toujour l'esprit d'afrique/la nouveauté qui prospère. Evoca sa mitologie, sa vie... Depois presta a grande homenagem à banda larga, "que tem o mundo todo na ampla discussão". Na faixa que dá nome ao disco faz profecias sobre a nova “infovia” que também se transformou em máquina de ritmos, questiona a autoralidade artística com a debandada da internet, e brinca com a própria voz que é sintetizada no final da canção: no futuro você vai poder tocar o meu samba sem querer/programação de sons seqüenciais/milhões de escolas de samba virtuais e virtuosos de versões sem fim.
Quem aprecia e crê na música de Gilberto Gil, para além do ritmo e do dito, deve ouvir Banda Larga cordel e sentir o cheiro tonal e pessoal do futuro da música, da arte, da África, do Brasil. Sua evocação à música, aos seus mestres (Baden Powell, Vinícius de Moraes…) e à miscigenação do universo que, para o seu legítimo íntimo, se centra no Brasil, onde nasce o ser do amor... Um disco imperdível!

Comentários

Anónimo disse…
Excelente post. A resenha crítica da Arte emerge aqui em toda a sua excelência. Gil é de facto uma "estrela guia" no firmamento da música.

Filinto Elísio
Anónimo disse…
A "estrela guia" que dita todas as nuances do firmamento... (o além da música): a tal correlação necessária. Mercy!

Margarida

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945