Avançar para o conteúdo principal

Alcatrazes: na fímbria do tempo

















Para quebrar o "equilíbrio" ecológico e ontológico descrito pelo poeta Jorge Barbosa de "nem homens nus, nem mulheres nuas", chegaram os navegadores ao serviço do Infante D. Henrique, António de Noli (genovês ao serviço da Coroa Portuguesa) e Diogo Gomes, navegador português, no iniciático ano de 1460 às Ilhas de Cabo Verde.
Os dois descobridores, como prémio da Coroa Portuguesa, tiveram então direito a povoar a Ilha de Santiago, dividida em duas capitanias: a da Ribeira Grande, hoje Cidade Velha, para António de Noli, e Alcatrazes, hoje Nossa Senhora da Luz (Concelho de S.Domingos), a Diogo Afonso. As duas capitanias da Ilha de Santiago, transformaram-se também em dois municípios: um com sede na Ribeira Grande e o outro em Alcatrazes . A estrutura de poder terá permanecido por muito tempo incipiente, dominada por uma reduzida mas forte oligarquia local.
Não nos é possível rastrear a rápida ascensão e queda de Alcatrazes uma vez que nos faltam engenho (mas não arte e vontade) para compreender toda a dimensão desse fenómeno histórico. Lá estão algumas pedras tumulares e elementos sacros, bem como a marca indelével dos homens de então, mesmo em ruínas por consolidar. Mas onde encontrar a vontade e a coerência antropológica de emprestar matéria e dimensão a esses momentos?

À vista, se nos apresenta uma igreja em ruínas, senão mesmo réstias de um templo católico (Capela de Santana, dizem os da terra), e um povo que, apesar de viver na pobreza e em extrema vulnerabilidade social, mantém viva, nos seus ínfimos actos culturais, a memória de uma História, que é nossa. Por conseguinte, em vez de lamentarmos o esquecimento a que espaço está votado, fazemos aqui um "plaidoyer" por Alcatrazes.

Irmã gémea da Cidade Velha (pois Santiago do começo eram as capitanias a norte e a sul), a ideia é complementar esta verdade, quanto mais não seja para potenciar as razões da Cidade Velha virar Património Mundial da UNESCO. Pode ser que ele ainda nos reconte um passado que nos abra caminho para um enorme futuro...





















1. Capela em ruínas (foi construida outra capela ao lado onde celebram a missa)
2. Cruz em ruína no interior da capela antiga
3. Procissão de Nossa Sra da Luz no dia 8 de Setembro

Comentários

Benvindo Neves disse…
É difícil não "lamentar o esquecimento a que o espaço está votado" mesmo com este "Plaidoyer".

Conheci o lugar há coisa de 2 anos e na altura escrevinhei um texto no meu blog. Eis o link:
http://sinta10.blogspot.com/2006_04_20_archive.html#114553722887373515

Abraço
Pura eu disse…
De lamentar acho que andamos um bocado cansados... resta é fazer, cada um ao seu modo, esses tais "Plaidoyes"...gostei do teu, por sinal muito anterior ao meu.

Um abraço

M.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945