Avançar para o conteúdo principal

Da toponímia

toponímia



















A toponímia da Cidade da Praia, mais do que em outros pontos do país, sempre esteve à mercê das oscilações políticas e de grupos, e envolta a alguma vulnerabilidade. Haviam os nomes atribuidos pelo regime colonial que, depois de 1975 com a Independência Nacional, foram substituidos por outros, e com o advento da democracia alguns foram retomados. A estátua de Diogo Gomes “na testa” do Plateau é um exemplo emblemático. Outro caso curioso, foi o Bairro Craveiro Lopes que logo depois da Independência passou a apelidar-se de Bairro Kwame n´kruma para depois com a democratização recuperar novamente o topónimo Craveiro Lopes.

A atribuição de nomes a ruas, praças e estátuas, independentemente das vontades partidárias, políticas, ou de grupo é uma questão sensível e deve sempre partir de argumentos claros e consensuais de ordem histórica, geográfica, cultural ou mesmo simbólica. O que ocorreu há dias com o nome Largo Eusébio, atribuído pela Câmara Municipal da Praia à conhecida Rua Capela, em Achada Santo António, destoa dessas premissas.

O Edil praiense reagiu na comunicação social à “ligeira” manifestação de alguns moradores da zona e disse tratarem-se de pessoas bem identificadas, afiançando que 99,9 % dos moradores estão de acordo com a decisão camarária. Faltou apresentar argumentos quanto "à legitimidade" do acto. De referir, que a dita rua é já uma marca: Rua Capela: uma capela que serve o grosso dos fiéis do bairro, construída por um morador antigo e bem conhecido de todos, e mais; uma rua, em cuja terra batida terão brincado muitos Eusébios nossos. É que se não houver uma ligação directa chão/nome, mormente se tratando de um largo, o nome não será facilmente assumido pelas pessoas, independentemente das qualidade da figura.

Esta nota não desmerece a figura do Pantera Negra, e nem se pretende representativa, apenas reflecte alguma estranheza perante essa ligeireza da edilidade, numa tentativa quiça, imbuída de boa fé, de agradar a estrela do Benfica. Entretanto, acreditamos, que possa existir alguma outra rua da Cidade que, eventualmente, despoletasse uma ligação mais afectiva (e menos confusa) com a lendária figura.

Comentários

Edy disse…
Tens toda a razão...ainda me pergunto quando é que teremos,pelo menos na praia,cada rua com nome e cada casa com número da porta para que cada um possa receber carta e encomendas em casa...será que vai demorar muito?Faz mas sentido a câmara fazer esse trabalho do que tentar agradar alguns ilustres,como foi com este caso...

ps: na verificação de palavras para este comment,a palavra era "tolyche"...
Redy Wilson Lima disse…
Sou contra a denominação de largo Eusébio e a reacção da população foi típico dos cabo-verdianos, passivos. Muitas bocas, mas na hora da verdade, nada.
Edy, cerca de 90% das ruas e casas na Praia (as que não são clandestinas) já tem nome e número.
da caps disse…
Nem vou à parte mais acima desta questão, que aliás essa foi tocada pelo post..

Engraçado é que Bairro, Craveiro Lopes - Kwame n' Krumah - Craveiro Lopes, por ironia do que tem sido apanágio deste Bairro resistir - manteve sempre o nome pelo que foi conhecido: Bairro.

Ainda que informalmente, que é a forma como nos tratamos a aos nossos lugares comuns.
Pura eu disse…
O povo é quem mais ordena, da caps. Daí também "os consensos" necessários nessas questões.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…