Avançar para o conteúdo principal

Rede Record: da desgraça à redenção

televisão

















1. Muitos já devem ter reparado no tom incisivo da grelha de programação da TV Record, canal brasileiro emitido em sinal aberto em Cabo Verde. Record é uma rede de televisão brasileira, cujos donos pertencem ao influente “bispado” da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). A rede (TV e rádio) é de cariz nacional e se ramifica através de dezenas de TV´s filiais estaduais e centenas de rádios pelo Brasil, e pelo mundo, (em alguns países africanos, inclusive). A tendência recente tem sido a igreja arrastar consigo o canal, e em outros têm acontecido o inverso; lá onde for permitido (como aconteceu em Cabo Verde) a regra é estarem juntos.
A Informação (o jornalismo) da Record, com a atractiva máquina de produção que em muitos casos ofusca o conteúdo, é marcadamente sensacionalista. O entretenimento cumpre e bem o seu papel “entreter”. Os documentários, alguns sobre os recônditos do Brasil, e outros sobre países e culturas estrangeiras, são bons.
A nossa atenção vai para o jogo dialéctico entre o paraíso e o inferno que perpassa o grosso da produção da record: da informação à teledramaturgia, e isso leva-nos a perceber a incessante ligação existente entre os dois ramos empresariais mais expressivos desses senhores: a televisão e a igreja.
O canal faz um esforço de priorização desmedido no sentido de configurar um “Brasil real” terrível. Basta assistir aos serviços informativos da Estação e perceber o número e a repetição de crimes transmitidos, e notar como a hipótese do agenda setting é trabalhada. Como se sabe, a realidade social, os temas de conversa, os assuntos de actualidade são montados, nos dias que correm, pelos media. Quando a sociedade é sufocada por situações limites, a saída está na busca pela redenção, na fé, num Ente superior…
O mesmo acontece com as telenovelas produzidas pelo canal: a intenção inequívoca de chocar, a luta entre o bem e o mal conhece e ultrapassa todos os seus limites (vide Mutantes); os extremos, a miséria humana, a decadência e o fosso sociais são condições sempre colocadas perante uma luz redentora e a possibilidade de regeneração.
O destrono de Júpiter, ou se quiserem, a luz no fundo do túnel, estará na mensagem que apregoa a Igreja Universal do reino de Deus, lá no finalzinho da emissão, depois de tudo…é assim em todos os lugares do mapa por onde pisa o canal “redentor”.

Os factos

2. À par dessa leitura primeira que incomoda pouquíssima gente, é justo dizer que a Record é o canal que mais cresceu no Brasil, tendo se beirado (não sei se ultrapassado) à poderosa Rede Globo em alguns picos de audiência O canal multiplica todos os dias contratos com jornalistas, apresentadores e actores de renome (muitos ex-globais).
O nível de produção em quantidade e qualidade tem aumentado, e traduz-se nos números de telenovelas e séries, coisa que a Record não fazia há 10 anos.
Levando a bandeira da fé como cartaz, a Record lança, em força, os seus tentáculos para fora do Brasil. Uma atitude que tem motivado a que outros canais do Brasil se interessem por uma maior penetração no mercado internacional.

Ineditismo

3. Independentemente de qualquer juízo que possa ser feito sobre a programação da Record, (que fosse pelo brilhantismo) é importante lembrar que a emissão desse canal em sinal aberto em Cabo Verde (com programação nacional ínfima) é provavelmente um caso inédito no mundo.

Comentários

Kamia disse…
Excelente análise. É enojador a forma como eles diabolizam tudo e depois lá tratam de meter o recado" cá estamos para vos salvar".
Boa análise... A grande empresa IURD está a cumprir, e cada vez com mais qualidade e sofisticação, o seu papel. A pergunta é: a nós interessa-nos? Porque nos prestamos a essa 'experimentação' híbrida de internacionalização? Parceria estratégica?
Pura eu disse…
Bom ter-te aqui, kamia.

Exactamente.
Apesar de dito, a política de programação da Record é lá com eles, (e é um problema do Brasil) mas o seu consumo aberto em Cabo Verde é uma questão que interpela a todos (devia, pelo menos).

Abraço.
Pura eu disse…
É isso Fonseca. Aliás, está-se a desperdiçar um rico nicho de "parceria estratégica". As contrapartidas à emissão aberta da Record em Cabo Verde deveriam passar por uma alternativa real de produção de informação em Cabo Verde, e uma grelha de programação nacional percentualmente expressiva. A REDE RECORD tem condições para isso, e deveria ser confrontada com esse cenário.
João Branco disse…
Margarida, engano meu, ou no concurso a que concorreu a Record para obtenção de licença, uma das condições é ter "produção nacional própria" até uma determinada percentagem que julgo não negligenciável? E se sim, quem fiscaliza este estado de coisas? Melhor, para quando uma Autoridade para a Comunicação Social em Cabo Verde, independente dos partidos e dos poderes instalados? É que não são apenas as televisões. Lemos os manifestos editoriais dos nossos jornais e algo ali não bate certo, não é? Mas não devia bater certo? Como consumidor falo.

Abraço
Pura eu disse…
João, engano nada, é "mais ou menos" isso. A verdade é que nunca ficou claro para ninguém em que moldes a Record Brasil emite em Cabo Verde, e quais são as exigências colocadas à Record Cabo Verde relativamente à sua produção nacional (no fundo é saber, o que separa os dois canais). Exigir e fiscalizar, porque a Estação tem condições para fazer mais.
O único puxão de orelha vindo da Direcção Geral da Comunicação, a dada altura, foi “ou a Record Cabo Verde arranca com um serviço informativo até dia X, ou perderia a licença”. Quanto à Alta Autoridade para a Comunicação Social é só puxarmos pela cabeça a ver se lembramos de alguma retrospectiva ou perspectiva no ano acabado de terminar. Nem uma palavra, infelizmente!

Abraço.
Arsénio disse…
A Rede Record sempre foi sensacionalista, desde que a IURD tomou conta dele.

Mas já sabemos qual é o objectivo.

Margarida, gostei da tua análise.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…