Avançar para o conteúdo principal

Beto Dias: totalmente di nós...

Beto Dias, tirada no A Semana












Nos finais dos anos 80, a revolução do funaná ocorrida em Cabo Verde origina na diáspora cabo-verdiana, concretamente na Holanda, um “novo movimento ou estilo” e um dos “artífices desta nova revolução”, como escreve Carlos Filipe Gonçalves no seu livro Kab Verd Band, é “Rabelados” com Beto Dias.

De lá para cá, muita coisa aconteceu, inclusive a desintegração da banda, mas Beto Dias continuou na estrada, sem fugir em essência do seu propósito musical: cantar o seu torrão natal na sua complexidade arquipelágica e diaspórica, com emoção, simplicidade; cantar a vida como ela é com o seu amor e desamor e homenagear as lutadoras mães das ilhas, temática aliás que bem o caracteriza. É tudo isso que Dias tem feito nos seus 21 anos de carreira, e o que acaba de fazer no seu último álbum intitulado “Totalmente di bó”.

Balada, (a morna no Rithm Blues – segundo Kab Verd Band), o funaná que vai lembrar sempre Rabelados porque orquestrado por Danilo Tavares, baixista e arranjador do extinto grupo, e companheiro inseparável de Dias. O artista originário de Ribeira das Pratas, Tarrafal de Santiago, neste que é o seu quinto álbum a sólo (além de dois com banda e um Best of) continua também a permear com os ritmos de “cheiro” zouk (denominado cabozouk) que, como se sabe, constituiu outra “fórmula encontrada” nessa época por esses jovens músicos crioulos nascidos e/ou crescidos na Holanda.

A música "nen pa ka tenta" confirma o lado comprometido de Beto quando canta que /Kantu ta flada nu tinha odju fitxadu, nocenti, bakan/Nu ka dexas tomanu konta’l nós txada, nem kobon, nem ladera!!!/Goci nu sta da, di Rotcha ti kamba mar/pa kenha ki ben di longi/.
Em seus anteriores trabalhos, lembre-se, com semelhante consciência de pertença, Dias cantou escravidão, emigração, separação, independência, democracia ...

A faixa que dá título ao álbum fala de encontro, de paixão, desejo, e finalmente casamento,(n'kre pa bu ser nha esposa, entoa-se em coro num derradeiro tom); momentos em que as margens entre a arte e a vida real parecem estreitar-se... uma outra faceta.

Gratidon”, a nona faixa do disco, além de uma homenagem singela às mães de Cabo Verde, todas sem excepção, “mãe bo ke centro di nha universo”, transporta-nos àqueles “anos Rabelados” em que a música parecia ter um sentido lapidar: provar ao arquipélago que “o nós”, das ilhas, e “o nós” da diáspora constituem uma única e grande nação. Beto Dias continua a querer apelar a essa unidade (como alias, fizera Rabelados no seu primeiro LP Unidade e Amor, 1988) em cada novo trabalho.

fotu: a semana

Comentários

Amílcar Tavares disse…
O Beto é o meu número um!! Pela pureza e qualidade que põe no funaná e pelas letras que tocam fundo.

É o mais consistente de todos.
Pura eu disse…
São esses dois aspectos que mais marcam o artista.
Anónimo disse…
Para mim é sem duvida o disco fraco e atrevo-me a dizer, pobre do Beto.
Acho que nem ele vibra com este disco.
O Beto tem uma voz muito boa mas tem insistido em a por na música errada...
Mas isto é opinião claro!

Djinho Barbosa
Pura eu disse…
Não falaria numa música errada. Tenho por mim que os estilos não são maus em si. Sobre o disco, a tua opinião é bem-vinda, Djinho, e vai confrontar as outras.

Abraço!
Dundu disse…
Desde Rabelados ao solo "Totalmente di nós", a minha opinião é de queda vertiginosa do Beto.
Os arranjos do disco dos rabelados e suas letras parecem ser de um outro Beto.
Outro dia ouvia o novo disco no café Sofia e sou obrigado a concordar com o Djinho: disquinho fraquinho.

Apenas minha opinião.
Pura eu disse…
Dundu,

Já agora aproveito para sugerir que ouvisse o disco mais vezes! Não que venha a mudar a sua opinião com isso... respeito muito a sua impressão.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…