Avançar para o conteúdo principal

José Luís Tavares, a propósito da oficialização do crioulo

crioulo




















“Sou pela oficialização plena e em paridade com o português, ainda que, no meu entendimento, se esteja a apegar demasiado à questão formal, legal e constitucional. Não menosprezando o aspecto da dignidade constitucional, penso que o actual articulado permite um conjunto de realizações e cujas virtualidades estão longe de estar esgotadas. O que é preciso é levar à prática, e até às últimas consequências, todas as possibilidades legais existentes. E para isso é preciso que o próximo governo, seja ele de que partido for, tome de forma decisiva a questão em mãos transferindo-a para o ministério da educação (com um ministro com abertura, empenho e sensibilidade para a questão, sem prejuízo do papel que o ministério da cultura deva continuar a ter), pois é aí que se joga, decisivamente, o sucesso na aprendizagem e uso da língua caboverdiana; a criação de uma unidade de missão adstrita à presidência do conselho de ministros, enquanto não é criado o instituto da língua caboverdiana, uma das principais recomendações do fórum de dezembro de 2008. Bom, dir-me-ão, para isso tudo é preciso haver recursos.”

Acha que há alguma mão oculta preterindo a oficialização da língua cabo-verdiana e por que razão?

“Eu não sei se há uma ou mais mãos ocultas ou não, mas o que eu tenho notado é que existem algumas movimentações, sem que isso possa ser tomado como algo conspirativo, e que elas incluem cabo-verdianos e não-caboverdianos. No que tange aos caboverdianos que são contra a oficialização, podemos dividi-los em várias categorias. Uns, por um déficit de consciência cultural e identitária; outros por razões de poder, pois enquanto o português continuar a ser a única língua formal de Cabo Verde aqueles que possuem o seu domínio ficam na posse de um capital social e simbólico não negligenciável; outros ainda por razões de reivindicação regionalista que encontraram um pretexto para as suas, talvez, justas queixas, usando a questão da língua como cobertura; e ainda aqueles que, se calhar por culpa nossa, não fazem ideia sequer do que se está a discutir.

Quanto aos estrangeiros as suas contribuições são bem-vindas, desde que se restrinjam ao âmbito técnico-científico. A questão social e política é com os caboverdianos, e só com eles. Por isso espantei-me, e muito, quando me disseram que um jornalista caboverdiano teria perguntado ao ex-ministro português Morais Sarmento o quê que ele achava da oficialização da língua caboverdiana. Que eu saiba o senhor Sarmento não é linguista e Cabo Verde é um estado soberano há trinta e cinco anos. Choca-me que haja caboverdianos que ainda não tenham interiorizado isso e que agem perante lisboa como se ainda fôssemos uma das suas possessões ultramarinas.”

in: expresso das ilhas
fotu: denise portes

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…