Avançar para o conteúdo principal

As minhas dúvidas sobre o texto de Germano Almeida

crioulo

















É recomendável que os jovens cabo-verdianos exercitem cada vez mais o português, por uma questão de exigência normativa, assim como todas as outras línguas que se propuserem falar ou escrever. Entendemos, mas pasma, a opinião do escritor Germano Almeida, que em pleno século 21, depois de tantas quedas, vitórias, e (des) construções simbólicas (inclusive), talvez hoje não faça sentido falar em língua do poder.

Há desmistificações que se impõem. A oficialização do crioulo não afronta a presença de qualquer outra língua, mormente aquela igualmente de referência histórica e cultural como é a língua portuguesa. Ela implicaria, se assumida em igualdade e paridade, na construção mais coerente e harmoniosa do Bilinguismo Cabo-verdiano, facto plasmado na realidade da Nação e de jure constitucionalmente reconhecido.

Em boa verdade, quem escreve e fala a língua cabo-verdiana não está sujeito a qualquer tipo de condenação formal e informal, e muito menos à subalternidade social e cultural, o que, convenhamos, já é uma grande conquista civilizacional.

O reforço da identidade cabo-verdiana, algo necessário nestes tempos de Globalização e de esbatimento das diversidades, continuará a ser crítico e, consequentemente, imperioso contra certos preconceitos e certos anacronismos. Estranha-nos, por isso, alguns conselhos, tão ultrapassados quão desajeitados, deixados aos jovens cabo-verdianos por intelectuais da craveira de Germano Almeida.

fotu: jan dirkx

Comentários

Et disse…
Eu tinha um comentário para o post anterior, mas na hora do enter a Eletra, simplesmente não me avisou, deixou-me com o dedo na... que frustração!...
Bem, concordo consigo neste momento/post. O G.A escreve crioulo em portugues. Tem exercitado, mas nunca será mais do que um escitor Cv. Até que podia escrever um bom romance em LCv e deixasse a tradução para os especialistas... E não há volta a dar.... Aquilo que disse-escreveu estamos fartos de ouvir....
Esta coisa de escrever a LCV tem por de trás muita:::::: XM. Et.
PS: não é obrigada a postar........
AMonteiro disse…
O texto de Germano Almeida é apenas comparável aos textos com discursos epilinguisticos que surgiram a quando da queda da latim como lingua de poder e mais recentemente, mas também longinquo,em toda as perspectivas, no início dos anos 60. Sei que a sociolinguística é uma área da linguística muito recente e por estas bandas pouca gente tem conhecimento dela. Mas o Germano e todos aquels que se atrevem a opiniar sobre a lingua deviam antes, pelo menos ler algum livro de introdução aos estudos linguísticos. Cabo Verde não tem outra saída se não apostar no ensino bilingue, como já se faz nos Estados Unidos e até Portugal, já está a experimentar esse tipo de ensino.
Se o Germano quer os jovens exercitem a língua portuguesa que comece, em primeiro lugar, a escrever livros em bom português e não esses textos com linguagem híbrida, que nem se quer identifica a variante do português de Cabo Verde; por outro lado, precisamos ter textos escritos em lingua cabo-verdina respeitando os níveis de linguagem e adequadas às situações.

Nenhum língua tem o poder em si proprio: o poder da língua está na função que ela tem: assim para os políticos, durante as campanhas eleitorais A LINGUA DE PODER É A LINGUA CABO-VERDIANA. Muito coisa fica aqui por dizer, mas...no entanto termino com 4 observações / questões:

1. Seria bom se germano exemplificasse o poder que o uso da língua portuguesa lhe deu!

2. Seria bom se a Margarida podesse colocar extractos da entrevista do Poeta José Luíz Tavares sobre este assunto .( Expresso das ilhas, 4/02 e expresso online);

3. Vai acontecer no dia 19 de fevereiro uma palestra sobre a a experiência de Portugal do Ensino Bilingue que está a decorrer numa turma em Portugal- 16 horas;no campus de Palmarejo. Oradora: a coordenadora do projecto e a professora de crioulo em Portugal.

4. Susan Romaine, uma grande crioulista disse : " Não há politica de lingua segunda de sucesso se não se tiver uma boa politica de lingua materna."

A bem da língua que os meus pais carinhosamente me transmitiram e orgulhosamente eu aprendi.

Lády Monteiro
da caps disse…
Falou alguém que usa a lingua,não só como meio de comunicar como todos nós, mas também como profissão. Assim como o Sr. Germano Almeida.
Por isso só a sua opinião tem já relevância que lhe é devido.

Acho que se se debater estas questões de forma construtiva algo de positivo há de sair.
Pura eu disse…
Obrigada, Lady Monteiro, pela prestimosa contribuição.

Quem dera todas as opiniões sobre a oficialização do crioulo fossem devidamente fundamentadas como foi a sua. Nessas horas, nem se ouve falar dos "farromperus" de costume ...

Obrigada pelas sugestões.

Abraços ao ET, Lady e Da Caps

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945