Avançar para o conteúdo principal

Fogo - a ilha real

O Fogo é uma ilha estrategicamente próxima de Santiago. Outrora, a dois passos dos centros portuários de importação e exportação: Ribeira Grande e Vila da Praia. Não só proximidade, mas evidente acessibilidade. Esta é a razão – tão comparativa, quão competitiva – que leva os moradores de S.Tiago a terem tido preferência pelo Fogo, como segundo espaço de povoamento. Obviamente que uma carta-régia impeditiva aos moradores de S. Tiago motiva à procura do Fogo, como recurso essencial para se "lançar à Costa africana". Como diria o geógrafo José Maria Semedo, a Ilha do Vulcão é um desdobramento da matriz original de Santiago, e o que assimila à ilha mãe e à co-participação no tráfico negreiro. As ligações com o continente africano são vitais para o equilíbrio agro-produtivo da Ilha do Fogo, na medida em que determinaram a mão-de-obra escrava como o grande factor de produção.

Apesar desse cenário histórico, que é condição matricial da sociedade foguense, os incessantes relatos sobre o Fogo silenciam elegantemente a realidade outra de muita boa gente. Vejamos alguns exemplos, apenas:

Abílio Macedo escreve, nos anos sessenta, que a fidalguia de S.Filipe tem motivos para "se orgulhar de uma ascendência aristocrática, como a feição mais saliente e predominante dessa gente...".

Henrique Teixeira de Sousa escreveria, na Revista Claridade, que "quem ainda por 1910 visitasse a Ilha, nela encontraria na sua vila principal (S.Filipe) um aglomerado de muitas casas residenciais, na maioria primeiros andares erguidos no velho estilo colonial, amplos, avarandados, coberto com telha marselhesa. Nesses sobrados, segundo o escritor foguense, moravam as famílias brancas, descendentes dos antigos povoadores europeus.

Ondina Ferreira, mais recentemente, em 1997, escreve no jornal Terra Nova que "apelidos como Macedo, Henriques, Sacramento Monteiro, Barbosa, só para citar alguns, sugerem e recordam algumas famílias ilustres de sobrados que fizeram época, marcaram presença e distinguiram-se, alguns, não só como altos funcionários e dirigentes da ilha, do Arquipélago no período anterior à independência, como também funcionaram como referência nobilitantes da Ilha do Vulcão...".

Estas notas, diria, são a antítese das próximas histórias tristes que aqui vão ser lidas...quando aquele passado se me impuser!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945