Avançar para o conteúdo principal

Ilha Nua







A blogosfera crioula ganhou mais uma ilha, acalentada por uma mão do além mar. O seu mentor é Jorge Marmelo, jornalista do Público, que depois de umas reportagens, nestas ilhas, ganhou mais um torrão. A um primeiro olhar jornalístico, seguiram-se algumas indagações históricas sobre a escravatura, feitas pelo jornalista a quando da rodagem do filme “A Ilha dos escravos”. Recentemente, mergulhou na ficção e recriou, num multiplicar de lugares, o Cabo Verde do seu íntimo. Falei com Jorge sobre essa nova ideia:

Jorge Marmelo, de há dois a esta parte, os teus trabalhos tem evidenciado um crescente interesse pela cultura cabo-verdiana. Porquê esse encanto?
Quando, há dois anos atrás, visitei Cabo Verde pela primeira vez, tive a sorte de ter conhecido logo três ilhas de uma assentada (Santiago, S. Vicente e Sal) e de me ter apercebido da riqueza e da diversidade de um país que, sendo territorialmente pequeno, tem uma dimensão imaterial enorme. Não creio que, com a excepção de Cuba, haja algum sítio comparável a Cabo Verde, capaz de, a partir de um território pequeno e de uma realidade demográfica reduzida, conseguir criar uma dimensão cultural tão forte. Isto por um lado. Mas o mais importante, creio, foi alguma coisa no modo como as pessoas me sorriram e receberam, amistosa e calidamente, o que me fez encontrar em Cabo-Verde uma espécie de segunda casa, um país ao qual, se pudesse escolher, eu gostava de pertencer.

Percebo, da nossa convivência, que o Ilha Nua é o início de algo mais. O quê, concretamente?
A ideia original que presidiu ao nascimento do Ilha Nua é a de criar uma publicação de actualidade cultural dos países que falam idiomas nascidos a partir da raiz comum do galaico-português, sem discutir sequer se esses idiomas constituem uma mesma língua ou línguas autónomas. A mim interessa-me que somos capazes, portugueses, brasileiros, angolanos, cabo-verdianos, galegos, moçambicanos, etc., de nos entendermos falando um idioma que, se não é o mesmo, é muito parecido. Isto devia ser o suficiente para que se estabelecesse uma comunidade, que, partilhando um veículo comum, partilharia também os bens culturais produzidos nesse idioma ou criados pela realidade imaterial desse idioma. Esta comunidade, porém, não existe, excepto, ocasionalmente, nos discursos doas políticos.
O Ilha Nua é, assim, uma espécie de casulo para a concretização daquela ideia original, a qual, a concretizar-se, espero que possa ser um pequeníssimo contributo para a concretização da tal comunidade lusófona.

Duas perguntas com respostas e um abraço ilhéu...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945