Avançar para o conteúdo principal

Gabo para os amigos

ExampleGabo é o nominho de Gabriel García Márquez, o autor de Cem anos de Solidão, O Amor nos Tempos do Cólera e outras nomeadas. Num jantar com amigos e familiares, recebeu uma repórter da revista brasileira Caros Amigos para uma conversa, o que foi considerada pela publicação nada mais, nada menos do que um furo fantástico. E é, de facto, se lembrarmos que o Prémio Nobel da literatura de 1982 não tem dado entrevistas faz tempo. A conversa aconteceu em Cartagena de Índias, Colômbia, cidade onde García Márques nascera há 80 anos, e não pisara há anos. Transcrevo em baixo umas linhas cheias de encanto da entrevista que García Márques concedeu à jornalista Ana Luiza Moulatlet (Foto).

Respeito sacramental

"(…) Foi um momento único. Afinal de contas, Gabo nem mais telefone quer atender. A única pessoa com quem ainda fala na linha é Mercedes, sua esposa, com quem vive no México. E porque Gabo está de volta? Quem responde primeiro é seu velho amigo Bernardo Hoyos, único a quem ele dedica, entre os 19 participantes do jantar, dois beijos no rosto. “Todos os amigos do Gabo ou morreram ou estão morando longe, na Europa”. Por exemplo: o escritor Carlos Fuentes, de quem gosta há muito tempo, está morando em Londres. Aqui em Cartagena ele tem dois amigos inseparáveis: o Jaime Abello e o seu irmão Jaime Garcia Marques.
Mas quem é Gabo para seu velho amigo? “Conheço-o desde os anos 50. Posso te dizer que é uma pessoa com uma determinação e um rigor muito acima do que qualquer outra. É rigoroso até com sua ficção e fantasia. Se exige muito, é muito autocrítico. Venceu e voou tão alto porque, eu vi isso acontecer, desde os anos 50 já sabia que é um grande escritor. Mas tem alguma mágoa, por exemplo, do finado escritor argentino Jorge Luís Borges. Borges foi muito injusto com Gabo. Eu o conheci, e ele disse uma vez que “a obra de Gabo é boa somente nos seus primeiros 50 anos”, e acho que isso deixou Gabo muito magoado.
Qual a obra literária que Gabo gostaria de ter escrito? “Ele sempre me disse esses anos todos que a obra que gostaria de ter escrito era Pedro Páramo, do mexicano Juan Rulfo, um livro que sem dúvida muito o influenciou na confecção de Cem anos de Solidão”, responde, de pronto, Bernado Hoyous. E qual a obra que ele mais gostou de ler? “Foi Grande Sertão: Veredas, do brasileiro João Guimarães Rosa. É o livro que ele mais admira em toda a sua vida”, diz Hoyos. (…)"

In: Caros Amigos, Junho 2007

Comentários

Eileen disse…
Bom, se tivermos em conta que Memórias das minhas putas tristes foi escrito depois desses 50 anos, eu sou capaz de concordar... o livro ficou aquém do usual. E o primeiro livro, de contos, por sinal, o "Olhos de cão azul", também é um bocado esquisito... e nada tão bom como os da "maioridade".
Pura eu disse…
Espero bem que Bernardo Hoyous não passe por este blog… é de todo improvável. Evitamos, assim, mais uma mágoa na vida do Gabo. (risos) Parabéns pelo Eileenístico.
Ema Pires disse…
Olá amiga foguense,
Gosto muito dos livros de García Marques. Até o conheci num congresso uma vez que veio a Espanha. Parece um grande ser humano.
Beijinhos
Eileen disse…
Sabe-se lá... ele pode simplesmente andar à procura do próprio nome no Google, vir ao Os Momentos, ver o meu comentário, mexer uns pauzinhos e adeus Eileenístico para mim... hehehe Vade retro, satanás! Obrigada pelos parabéns antecipados!
Pura eu disse…
Eileen, Hoyous não teria esse poder todo a partir de Colombia, e deve ter um bom astral o homem... (risos)

Ema...que honra, ver Garcia Marques de perto.
Bjinhos às duas

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945