Avançar para o conteúdo principal

(Mal)dita Morabeza


Nunca paramos para pensar no simbolismo da palavra morabeza, o termo que, para muitos, caracteriza o modo de ser dos homens e mulheres destas ilhas. O certo é que sempre fugimos de aprofundar a semântica dessa expressão. Sem esforço suplementar, vê-se (lê-se) no cabo-verdiano morabi (uma expressão muito usada na Brava…será da morabeza?) um ser cordial, manso; um povo hospitaleiro e tudo o mais. Lá isso sempre fomos, se se reparar no modo aberto e doce como lidamos com os Europeus que nos visitam. Sim, porque com os nossos irmãos da Costa Ocidental Africana não somos tão morabis assim!... Numa sondagem, daremos conta que esses homens e mulheres do continente, ao contrário dos turistas do Norte, não nos acham morabis.
Não nos compete aqui avaliar, ou julgar a morabeza cabo-verdiana, mas sim demonstrar a sua inconstância e contextualizar a sua invenção. A duplicidade a que nos referimos comprova, apenas, que essa condição de morabi dos cabo-verdianos é uma construção até certo ponto mítica. Na concepção crítica do sociólogo José Carlos Gomes do Anjos, a "supercordialidade" empregando o termo de Gabriel Mariano (um dos maiores ideólogos da teoria da mestiçagem em Cabo-Verde) tem o seu ápice no Mindelo, considerado pelo sociólogo como o espaço de eleição para "o recrutamento de mediadores para o processo colonial".
Dos Anjos escreve que "a concepção do mestiço como cordial é um dos desdobramentos do mito da "evolução racial", que, opondo às virtudes da africanidade (a emoção) àqueles da europeidade (a intelectualidade), produz uma síntese que tem no porto do Mindelo e na sua pretensa morabeza o seu lugar simbólico e seu emblema – o lugar e o resultado do encontro cordial de raças”.
O discurso de Cabo Verde mestiço teve eco no seio dos intelectuais portugueses, e teve presença efectiva nas suas múltiplas abordagens em relação a Cabo Verde.
Aos 32 anos depois da proclamação da Independência, continuam de pé (e vão surgindo mais) as máquinas de lavagem a reproduzir a tão aclamada morabeza crioula. É por essas e outras que o poeta Kauberdiano Dambará diz que a ilha da Madeira, graças ao autonomismo do tipo João Jardim, é muito mais independente de Portugal do que Cabo Verde. Afirmação controversa, mas que não deixa de demandar alguma reflexão.
Foto origem

Comentários

Anónimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Benvindo disse…
Olá Margarida
De facto, todos em Cabo Verde falam da Morabeza e eu nunca entendi a verdadeira essência deste coceito.
Este post fez-me lembrar um texto que escrevi, faz algum tempo.Eis o link:


http://sinta10.blogspot.com/2006/03/racismo-ser-o-cabo-verdiano-um-povo.html
Pura eu disse…
Benvindo, (estás desaparecido!)

Li o teu texto. Basicamente abordamos a mesma questão. No fundo queremos saber que morabeza é essa...

Um abraço

Margarida
Ema Pires disse…
Passei por aqui, e estive a ler o texto. Quantas saudades tenho de Cabo Verde, amiga foguense.
Um grande abraço

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…