Avançar para o conteúdo principal

A conquista do véu...

véu




















Henry Miller, Ítalo Calvino e Vladimir Nabokov são alguns dos meus autores preferidos por uma razão em comum. Muito além das suas escritas, individuais no percurso, esses autores oferecem ao leitor a possibilidade de alargar horizontes, pela forma peculiar como se referem aos livros que os marcaram. Qualquer leitor interessado pode, por essa via, elaborar uma lista curiosa de leitura recriando critérios de escolha.
O mesmo acontece com a escritora iraniana Nazar Nafisi no seu livro “Ler Lolita em Teerão”. Antes de iniciar a leitura, condicionada pelos últimos acontecimentos no Irão, imaginei que o livro se restringisse aos insólitos da obra Lolita, de Nabokov, e as proibições de leitura num meio revolucionário e dominado pelo radicalismo islâmico. Mas Nafisi vai muito além e propõe uma lista essencial entre títulos e autores: o próprio Nabokov, Henry James, Monte dos Vendavais, entre outros. Dos escritores sobressaem, à semelhança da autora, o paradoxo do tensionamento psicológico em face da (s) ideologia (s) da escrita.
Nafisi, no “Ler Lolita em Teerão”, traça uma radiografia não necessariamente linear da vida no Irão no período revolucionário: a divindade de Komeini, o papel desempenhado pelos jovens, os intelectuais, o lugar da universidade e do seu apoderamento político e islâmico, a guerra entre Irão e Iraque, etc. Percorrendo esses caminhos todos, a escritora demonstra o poder invencível das ideias, da convicção e da luta pela liberdade na qual acredita.
O que se percebe no livro e de modo incontornável é o lugar da América e do Ocidente como antítese conducente às radicalizações político-religiosas. E disso depreende-se uma disputa de civilizações com bases históricas muito enraizadas, mas bastante difusas.

Da actualidade africana...

Saindo do livro, mas continuando nessa dualidade, é curioso olhar o actual cenário islâmico em África (continente fortemente marcado pela colonização). Ascende no continente sorrateiramente um sentimento anti América, que, muitas vezes, em se tratando de religião, leva a questionar qual o lugar da crença e da profecia em si. O Islão, como religião oficial, configura-se como um claro objectivo no continente; as várias frentes radicais islâmicas criam terror sob pretexto do anti-americanismo, os apoios multiplicam-se, e caminhamos a passos largos para um confronto civilizacional.

Da diáspora ...

As ramificações do islamismo que percorrem o Sahra, e atravessam o Mar Vermelho e o Mar Mediterrâneo banham toda a parte. Amin Malouf propõe, por exemplo, um “pacto laico internacional”, à semelhança do ocorrido em 1648 com o Tratado de Vestefália. A situação não se augura pacífica, pois uma parte do mundo ainda acredita que uma guerra pode ser santa…

imagem: autora do blog rendida ao véu na Líbia

Comentários

Tchale Figueira disse…
Lembro-me que uma vez aqui em São Vicente num encontro, um Caboverdiano (fanático)emigrante no Canadá argumentou que nós os africanos deviamos todos convertermos ao Islão, pois, esta, é, a religião dos Africanos, e não o Cristianismo. Tomando a palavra, disselhe que, ambas as religiões, fomam impostas com conquistas, com a espada, cruz, semitarras, e crescente, lembrei-lhe que os Africanos eram animistas, antes da chegada do Islão e do Cristianismo... Ammin Malouf tem razão, mas que fazer com os fanáticos?... Onde se congegue o livro de Nasar Nafisi?
Pura eu disse…
Os tempos são verdadeiramente cíclicos, para o bem e para o mal... e a África tem sido vítima incontornável, a todos os títulos.

Bem, Nasar Nafisi foi uma prenda, mas se não me engano a livraria Nhô Eugénio na Praia também trabalha sob encomenda...

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…