Avançar para o conteúdo principal

Blindness: quero ver













"Blindness" é o mais novo filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (o mesmo de Cidade de Deus). Durante a rodagem do filme, Meirelles manteve um blog onde descrevia os passos mais importantes da rodagem de "Blindness", uma adaptação cinematográfica do romance Ensaio Sobre a Cegueira de José Saramago. Interessante exercício.
No post nº 12, intitulado “Sobre filmar em SP, Síntese e Culpa” Meirelles confessa, a dada altura, uma ideia que chama atenção: “Descobrir qual é a imagem/síntese de um filme me parece tão importante quanto conseguir formular um “story-line” (resumir o filme em apenas uma frase). Em “Blindness” eu não sei exatamente qual será esta imagem/síntese, mas sempre imaginei um filme opressivamente luminoso. Em nossas 12 semanas de filmagens, conseguimos bons momentos de brancura e agora torço para que no meio das 45 horas de material rodado ou dos 3.888.000 fotogramas expostos, haja ao menos um que consiga traduzir esta história. Se não houver paciência, pois as filmagens já acabaram”
As filmagens já acabaram e o filme abriu o Festival de Cannes 2008, mas como afiançou, na altura, o realizador, não será esse o filme que o mundo irá assistir (a estreia está prevista para Setembro), porque o trabalho passará por uma última fase de montagem, depois das várias a que foi submetido.
"Blindness" é uma co-produção entre o Japão, o Canadá e o Brasil, falada em inglês. A ideia, dizem, foi antecipar a Hollywood com uma homenagem ao Nobel Saramago, e à sua definitiva obra.

Comentários

Kal-El disse…
Enquanto tu "ainda" queres ver,eu já vi!Não vou te adiantar grandes pormenores a não ser que vai satisfazer a tua expectativa...vantagens de ter amigos que são os meus "piratas informáticos"...bj
Pura eu disse…
Pois é! E nem me apresentas esses amigos que tão bem te tratam! Já viste a versão final? Isso que é pirataria...hehe
Bj
Anónimo disse…
Olá!
Penso que gostaras de ler este blog: blogdeblindness.blogspot.com
Adorei o post "(Ler de novo) Essex na Ilha do Maio".
Carla (amantedarosa)
Pura eu disse…
Olá, Carla. Obrigada pelos comentários.

Conhecia o blog, e até referencio a ele no texto com link e tudo. Talvez não esteja muito visível.
Essa passagem do Essex pela Ilha do Maio fascina-me muito, tanto é que republiquei o texto dois anos depois da primeira postagem.

Volta sempre

Margarida
Anónimo disse…
Tens razão sobre o link. Desculpa.
Eu só li o livro há umas 3 semanas. Gostava de poder escrever que gostei, mas não gostei. O que me leva a não gostar? O horror. Nem sei bem. Sempre quero ver como ficou o filme. Não o consigo visualizar luminoso. Carla
Pura eu disse…
Por várias razões, e esta, principalmente, ansio por ver o filme. Não sei como o realizador trabalhou toda a miséria humana do livro para um filme que ilumina. vamos aguardar. Se conseguires o filme antes de mim, diz qualquer coisa.
Ab.

Margarida

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…