Avançar para o conteúdo principal

Um cego

Old man
















Não sei qual é a face que me mira
quando miro essa face que há no espelho;
e desconheço no reflexo o velho
que o escruta, com silente e exausta ira.
Lento na sombra, com a mão exploro
meus traços invisíveis. Um lampejo
me alcança. O seu cabelo, que entrevejo,
é todo cinza ou é ainda de ouro.
Repito que perdi unicamente
a superfície vã das simples coisas.
Meu consolo é de Milton e é valente,
porém penso nas letras e nas rosas.
Penso que se pudesse ver meu rosto
saberia quem sou neste sol-posto.

Poema: Jorge Luis Borges
Tradução: Renato Suttana

Comentários

Alex disse…
Estranho. Muito estranho este teu Post. Na verdade o Post nada tem de estranho, mas é uma grande coincidência. É que por estes dias ando a escrever sobre esse tema. O rosto humano. Um desafio pescado lá no Blog do Paulino, que tem publicado fotos de belíssimos rostos (todos os rostos são belos se não vistos sob os clichés estéticos, porque todos representam um mundo, um livro a escrever-se todo os dias). Depois de lido o Borges, não sei se me motivo mais ou se me encolho (risos). Sei não!
Cá vai um cheirinho só para ti:

Sobre o teu rosto mulher,
ergue-se a casa de meu pai
aquele cujo nome de mim
se escondeu como uma recusa,
a amarrotada cama dos dias
onde a pele antiga do tempo
apodreceu sob a casca amena,
rumores daqueles que em nós
sobrevivem com seus cheiros
domésticos, animais de estimação,
flores muchando entre páginas.

De que nocturno pássaro
é este véu de asas em par
que te cobre, qual presságio,
a face.
Alex
JUN/08

Fica bem
ZCunha
Anónimo disse…
Não há razão para encolho, e os doutos haveriam de concordar comigo. Antes de mais, agradeço esta dedicação de palavras tão contemplativas e preenchidas. Diria até que complementam a incessante auto retratação (ou será a sua recusa?) da poesia de JLBorges. A capacidade de olhar rostos denuncia, além de tudo, uma estranha (porque rara) sensibilidade.
Um abraço e bom fim-de-semana,

Margarida
Alex disse…
Este poema está ainda na fase da oficina (podar, limar, polir). Enviei-o porque achei interessante a coincidência. Faz parte de um grupo mais vasto de poemas que se destinam a celebrar o rosto de Nha Dadá que podes ver no Blog do Paulino. O trabalho tem neste momento um título provisório: "7 mapas para a história de um rosto".

Abç's
ZC

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945