Avançar para o conteúdo principal

O poder e Obama*














Poderia começar este artigo por trocar a ordem das palavras deste título: Obama e o Poder. A retumbante vitória de Obama nas eleições norte-americanas soa para os EUA e para o Mundo com o som fonético e, sobretudo, com o valor semântico de um verdadeiro «hossana». «Hossana», do hebraico «hoshi’anna» quer dizer: «salva, peço-te». Obama, no contexto actual da situação dos EUA e do Mundo, encarna essa petição: «Salva-nos».
Quem estendeu esta passadeira para esta triunfal entrada de Obama na Casa Branca foi George W. Bush. Bush deixa a mítica branca residência com o mais baixo índice de popularidade de sempre (26%). Nos EUA e no Mundo havia um enfado muito grande por este homem que, simbolicamente, guarnecido do maior poder do Mundo estava a cavar a mais profunda onda de falta de confiança. A crise financeira actual, melhor dito, a crise do sistema financeiro foi óbito final de dois mandatos que denegriram o papel motor dos EUA face ao estado do Mundo. Iraque, Afeganistão, Irão, Palestina, Israel, não são apenas nomes e histórias de países. São capítulos, dossiês, alforges de problemas que a administração Bush deixa em legado ao próprio Obama. E só por manobra ilusionista ou fraca consciência do estado actual dos EUA e do Mundo alguém pode ignorar que o caminho de Obama está cheio de minas e armadilhas.
Obama chega em ombros à Casa Branca porque do fundo do túnel surgiu o custo zero de toda a esperança. Praticamente desconhecido, sem ter andado nos corredores do Poder a ter de cumprir falsas promessas, homem simples, a bem dizer meio negro, meio branco, «nascido a pulso» como tanta aprecia a mitologia americana, com uma mensagem da força do que pode valer o querer, com um apelo forte e renovado de que o «sonho americano» ainda está por cumprir, de linguagem simples e voz firme e sonora, Obama, por seu mérito e não só, reunia as óptimas condições para ser o vulto e o promontório de uma nova réstia de esperança para todos aqueles que estão em vias de perdê-la por completo. E se são indesmentíveis as qualidades pessoais de Obama, as circunstâncias conjunturais da actualidade encontraram nele o modelo exacto, para numa operação de marketing político numa democracia e que acima de tudo é profundamente mediática, montar uma campanha eleitoral de indiscutível êxito. Como já alguém disse, neste sentido, até o nome ajudava, era verdadeiramente um nome de marketing Barack Obama. A mobilização do eleitorado multiétnico norte-americano foi grandiosa. O entusiasmo contagiante. O ambiente de festa na saudação da nova era que despontava tornou-se empolgante. Obama é o novo presidente dos EUA.
Obama chegou ao Poder. A partir de agora começa a maratona da gestão desse poder conquistado e conferido pela grande maioria dos norte-americanos. De um poder que deixará de ser apenas de Barack Obama mas da Casa Branca. O mesmo seja dizer da poderosa teia de poder que governa os EUA.
Não é só a crise financeira e do próprio sistema que traz as incertezas dos tempos que vivemos. É a própria crise dos «fundamentos do sistema democrático como a legitimação e justificação do poder» em profunda mudança (Timóteo Alvarez, em «Gestão do Poder diluído», 2006).
É importante para o Mundo que Obama não se transforme em mito, mas no novo nome do Poder.

* Paquete de Oliveira (cedido pelo autor)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945