Avançar para o conteúdo principal

Morreu "Nhô Raúl"

Example
Faleceu com 102 anos de idade o tocador de violino, Raúl de Pina. Um exímio músico, natural da Ilha Brava, conhecido dentro e fora do país. Teve 38 filhos, sendo 29 vivos.
Nhô Raúl, apesar de filho de emigrante, viveu sempre em Cabo Verde, entre Brava e Praia. As últimas três décadas passou-as em Cova de Joana na Brava, ao lado da esposa Maria Madalena Gomes de Sena, a quem dedicou o seu único álbum intitulado “Madai”, gravado em 1999.
Tivemos a oportunidade de fazer uma reportagem com Nhô Raul, na Brava, em 2001, durante um casamento de dois jovens italianos da Cidade de Noli que escolheram a zona “Djon da Noli” para o seu enlace. Foi uma festa interessante, porque uma homenagem ao navegador italiano que esteve tanto na Brava como no Fogo, emprestando o seu nome a duas localidades dessas ilhas. Nhô Raúl era a figura central dessa festa, enquanto animador. Em conversa connosco, contava a saudade que sentia da sua juventude em que animava festas durante uma semana a fio. Os seus olhos brilhavam quando falava de Eugénio Tavares, já que era conhecido como “menino da casa de Nhô Eugénio”, figura de quem recebeu uma grande herança lírica. No embalo da conversa ousava até contar alguns episódios românticos da vida do poeta.

Seu percurso...

Raúl de Pina começou a tocar violino com 13 anos de idade por influência da mãe que cantava morna. Diz mesmo que foi a sua mãe que o ensinou a cantar mornas de Boa Vista. “Eu costumava acompanhá-la a cantar”. Foi nesse ambiente que Nhô Raul começou a fabricar violinos que até lhe rendiam algum. Vendia-os por 20$00.
Numa entrevista concedida à Amidjabraba conta como conseguiu o seu primeiro violino moderno. “ Eu ganhei o meu primeiro violino através de um rapaz, cujo pai era capitão”. Nhô Raúl comprou desse jovem um relógio dos Estados Unidos que viera trocar mais tarde por um violino que pertencia ao Sr. Cristiano José Pereira, professor, na altura, em Ponta-abaixo.
Raúl de Pina tinha 17 anos quando veio para Praia. A sua primeira actuação na Capital aconteceu numa festa de boas-vindas que médicos do Hospital da Praia (na altura, apenas 3) resolveram fazer em honra do Dr. Fonseca que acabara de se formar. Nhô Raúl ficou reticente e inseguro com o convite, mas acabou por aceitar o desafio. Foi assim que começou formalmente a tocar em público e a animar bailes por 50 escudos por noite.
Apesar da idade avançada, Raúl de Pina animava bailes até há tempos, sempre na companhia do seu último filho (codé) adolescente.

Com amidjabraba

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945