Avançar para o conteúdo principal

Torre cultural para a Ilha do Maio

Biche Rotcha
Quem visita o Maio, de lés a lés, fica agradavelmente surpreso com as virtualidades da ilha, apesar da aparente falta de perspectivas, e desolação. Digo isso, porque o Maio, ao contrário da Boa Vista e do Sal, ainda vai a tempo de planear o seu turismo de modo a conciliá-lo às suas especificidades ambientais e humanas.
As praias estão praticamente intactas, a beleza das suas dunas pode competir com as de Boa Vista, a hospitalidade – sua imagem de marca – é insubstituível.
Há quem diga, inclusive, que a ilha da boa música e do bom queijo ainda resguarda os traços e a autenticidade do cabo-verdiano de antanho.
Autenticidade, aliás, que convidou o casal alemão, Sabina e Miguel, a fixar residência no Maio, mais precisamente na zona de Calheta. Sabina ensina francês no Liceu da Vila do Porto Inglês e o seu marido, enquanto artista, trabalha na construção de uma torre de cultura que vai ser o Centro Cultural da Ilha. Esse espaço já ganhou corpo e fica próximo à praia de Calheta mesmo defronte à residência do casal.
Porto Inglês
A intenção é “promover momentos culturais com artistas e poetas da ilha e de outras paragens” diz a Sabina. Além desse projecto cultural o casal está a trabalhar na recuperação do espaço que envolve a torre, onde antigamente existiam extensas palmeiras que protegiam do sol as mulheres da redondeza, enquanto lavavam roupas.
O casal vive há sete anos no Maio e durante esse período tem dado sinais de muito apego à ilha, patente nos vários projectos que desenvolve a nível educacional e comunitário. Entretanto, vivem preocupados com o futuro do espaço, tendo em conta as consequências de um turismo mal explorado.
Que turismo para a Ilha do Maio?” tem sido uma questão recorrente entre as autoridades locais e nacionais. Adalberto Silva, deputado da nação e filho da ilha, emerge desta problemática com a ideia de que “o turismo a ser promovido na ilha não poderá ser de massa”. Betú – como prefere ser chamado – é da opinião que se deve aproveitar as peculiaridades da ilha e promover um turismo que traga benefícios e qualidade de vida aos maienses.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…