Avançar para o conteúdo principal

Sabina Miranda: Sucesso no Feminino

Example
No mês em que se assinala mais um dia dedicado à mulher, as cabo-verdianas continuam a marcar ponto nas ilhas e na diáspora. Desta feita, a novidade vem dos Estados Unidos e chama-se Sabina Miranda.
Já participou em dois filmes – “Vozes que gritam” e “Destino e Sucesso”. Neste momento está a correr atrás dos seus sonhos e vive em Nova Iorque. Numa entrevista concedida à CVmusicworld a garota do momento disse que está a trabalhar no projecto do seu próprio talk show, onde pretende dar espaço à comunidade cabo-verdiana nos Estados Unidos, que, no seu entender, é ainda pouco conhecida. Ao mesmo tempo prepara-se para uma audição na hollywood.
Os Cabo verdianos não são conhecidos, precisamos difundir a nossa cultura e apresentá-la ao mundo, diz.
Sabina trabalha com a produtora americana John Casablanca’s Modeling and Career e já coordenou na BNT (Boston Neighborhood Television) o programa Video Flava. Recente desempenhou o papel de uma escrava num documentário produzido pela Northern Light que vai ser emitido neste mês no canal História.
Example
Ainda no feminino...

Continuando a falar de vitórias no feminino não poderíamos aqui não referenciar a iniciativa do Ministério da Cultura: “O papel da mulher cabo-verdiana na afirmação da cultura”. Uma mesa redonda, iniciada hoje, que versa sobre os diversos campos de actuação em que as mulheres já se fazem fortemente presentes em Cabo verde, nomeadamente nas letras, na música e no ensino. O acto acontece na Biblioteca Nacional, enquadra-se no âmbito do trigésimo aniversário da independência de Cabo Verde e prolonga-se até Domingo.
Dentre os temas, de realçar a exposição de artes plásticas, artesanato e do livro, a ser inaugurada, hoje, no Palácio da Cultura e a entrega de Diplomas de mérito, no Sábado, aos 10 grupos de Batuque da Praia, na Biblioteca Nacional.
O mega evento encerra-se em alta no auditório Jorge Barbosa com um espectáculo cultural em homenagem às musas. As vozes femininas vão estar no comando: Lena França, Terezinha Araújo, Teté Alinho, Sara Alinho, Batucadeiras de Monteagarra, Arcelinda Barreto, Pedro Moreno, e Mizé Badia.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945