Avançar para o conteúdo principal

Mais cinema

Enjoy your poverty













Não quis fazer o que todos fazem: levar soluções aos africanos e dizer-lhes que nós, os ocidentais, vamos ajudá-los a superar a pobreza. A situação é forçosamente aquela, há que saber aproveitá-la.”
Numa certa perspectiva, essa visão confrontada sobre a pobreza e o sofrimento, poderia ser condenável, se o autor dessas palavras não tivesse demonstrado de forma desafiante o (s) significado (s) da sua colocação. Quando o artista belga Renzo Martens partiu para Congo para realizar, durante dois anos, Episode III: Enjoy Poverty (2008), tinha em mente isso mesmo: fazer um filme que explorasse “a estrutura montada” do maior produto de exportação africano: a pobreza e o sofrimento humano. Um “empreendimento desumano” perfeitamente naturalizado e explorado por muitos, menos pelos pobres.
Os jornalistas que vão em busca de furos de reportagem nos campos de refugiados, as organizações humanitárias, as grandes empresas ocidentais que exploram os recursos naturais (nesse caso, o ouro congolês), quando os trabalhadores dessas mesmas minas vivem abaixo do limiar da pobreza, os fotógrafos especializados em ângulos da desgraça, etc. Renzo entra no quotidiano, está na aldeia; nos casebres, convive e até se mostra no filme. “Porque não aproveitam a vossa pobreza?” Tentem encontrar os melhores ângulos fotográficos dos vossos casebres, das crianças desnutridas, da face da mulher violada” .
O banco mundial e a “monetarização” do país; a política e os políticos; nós, os outros, e uma pobreza intacta e virulenta. Nada escapa a Renzo…
Example




















Episode III: Enjoy Poverty mereceu uma menção honrosa do júri do Infinity Festival, e “despoletou muito debate no concurso para a premiação”. É que o realizador, sendo um artista, (escultor) não está necessariamente ligado a fórmulas fílmicas, assume papéis, interage com o espectador, algumas vezes de modo irónico, mas perfeitamente assumido enquanto proposta intelectual.
O filme é parte de uma tríade que começou com Episode I, emergency food distribution and the role of the cameras (Kenia, 2002) e vai fechar em síntese. Poderia ser apenas mais um documentário sobre a desgraça humana, mas Episode III, para Renzo, é arte. Foi exibido inicialmente em museus, em vez de salas de cinema, e o seu autor recebeu grandes elogios, e duras críticas (que oscilam da genialidade ao cinismo) pela sua provocação. Renzo Martens é belga, mas vive e trabalha na Holanda.

Nota

A TCV, numa parceria com o Alba Film Festival, irá oportunamente apresentar um documentário sobre tendências e linguagens contemporâneas do cinema, com participação de realizadores e críticos de cinema como Marco Ponti, Bruno Fornara, Maurizio Porro e Renzo Martens.

foto1: placa do filme
foto2: Renzo Martens e "pura eu", clicados por Claúdio Matráxia

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…