Avançar para o conteúdo principal

Pedro Pires joga a última cartada

Cidade Velha



















O Presidente da República visitou hoje o município da Ribeira Grande de Santiago, a poucos dias do encontro de Sevilha, onde a UNESCO vai deliberar entre 22 a 24 de Junho próximo sobre a candidatura da Cidade Velha a Património da Humanidade.

Uma visita simbólica, na medida em que o Governo de Cabo Verde, através de uma Comissão Técnica, já formulou a Candidatura da Cidade Velha junto à UNESCO e aguarda, com muita expectativa a decisão definitiva.

Carlos Carvalho, presidente do INIPC diz-se confiante no trabalho da comissão técnica, mas desvaloriza a ansiedade dizendo aos jornalistas que“ se não ganharmos a candidatura, ninguém vai morrer”. As coisas são como são, diz o poeta e somos forçados a concordar.

A visita de Pedro Pires ficou entendida como mais um acto de Magistratura Cultural, já que desde o início tem mobilizado interesses, junto da UNESCO, inclusive, para a divulgação do sítio Cidade Velha. Para Pires o sítio é um património, e por isso, ganhando ou não, deve-se trabalhar para o futuro.

Considerada, mercê do seu valor histórico e patrimonial, o Berço da Nação Cabo-verdiana, a Candidatura da Cidade Velha a Património Universal, poderá, para além de dar visibilidade a Cabo Verde como um pólo de turismo histórico e de conhecimento, reposicionar a geopolítica em relação à criação da Rota dos Escravos, um dos grandes objectivos da UNESCO.

In locu (a história é outra)

Por outro lado, há questões práticas a ponderar: um serviço de guia que convença, potenciar e dar vida aos monumentos, criar um circuito cultural sólido que contemple Cidade Velha como pólo atractivo, e trabalhar afincadamente para a inserção do sítio na Rota de Escravos. O que se vê, neste momento, são algumas iniciativas privadas de cariz turístico que começam com alguma promessa para tempos depois, quase sempre, caírem no esquecimento.

A impressão que se tem é que as autoridades reivindicam para si, cada um a seu tempo, mais ou menos protagonismos, em vez de conjugar esforços e ideias concertados a favor do reconhecimento daquele que é o incontornável berço da cabo-verdianidade.

Expectativas, algum entusiasmo e também angústias dominam os espíritos de uns e outros em relação à introdução da Cidade Velha na lista do Património da Humanidade. Entretanto, muitos têm sido os apoios à iniciativa.

A procura de um passado que poderá determinar o futuro da nação cabo-verdiana.

foto: daqui

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…