Avançar para o conteúdo principal

Cidade Velha: maravilha ou património mundial?

da escravatura














O concurso As Sete maravilhas de origem portuguesa no mundo, heroicamente promovido por algumas Instituições lusas, incomodou a muitos nos Países de Língua Oficial Portuguesa, menos em Cabo Verde.

Por cá, o que se viu, depois da eleição de Cidade Velha, e como se tudo não bastasse, vieram as autoridades a congratularem-se com a votação, e a considerarem, inclusive, que esta neo (apropriação) irá ajudar na candidatura de Cidade Velha. Como se a decisão da UNESCO já não estivesse tomada, para o bem ou para o mal.

De concreto esse concurso português não ajudaria em nada na candidatura do Sítio Cidade Velha. De recordar que uma das possibilidades da UNESCO incluir Cidade Velha na lista de património da humanidade, está ligada à consolidação do projecto Rota de Escravos, projecto criado em Benin em 1994 exactamente com o fito de rememorar a tragédia da escravatura, e promover a investigação sobre essa que é considerada a maior deportação de seres humanos na história da humanidade, crime que contou com a participação activa de Portugal.

Essa "maravilha" que é Cidade Velha surgiu do e para o Tráfico de Escravos. Antes da sua especificidade arquitectónica (muito festejada pelo concurso), e do puro e simples fluxo de pessoas, é de salientar o peso memorial da subtracção de seu espaço de milhares de almas, da morte de outros milhares, da exploração, da diminuição humana, tudo em nome da expansão Europeia e da descoberta de Novos Mundos. Feito erigido à custa da vida de milhares de seres humanos que, em vez de repúdio e condenação, continua cinicamente a ser celebrado.

Duvido que os historiadores cabo-verdianos não tenham percebido a ligeireza com que foram promovidas essas tais maravilhas, nomeadamente o sítio Cidade Velha. Mas cai mal criticar, escrever no jornal e denunciar mais um disparate da “metrópole”… Mário Fonseca já dizia (sobre tamanha dependência) tratar-se de uma doença que foge às tentações do diagnóstico.

Num dos textos/protestos sobre o assunto, o catedrático português, Boaventura Sousa Santos, diz que “por um critério mínimo de justiça histórica, as instituições que patrocinam este concurso devem exigir à empresa total transparência de contas e que os lucros sejam integralmente destinados à recuperação dos monumentos.” Pelo menos isso...

Comentários

João Branco disse…
Margarida, estamos de acordo neste assunto. Já não era sem tempo! Ainda noutro dia me perguntaram porque é que eu "andava sempre às turras" com a Margarida... A resposta foi rápida: porque é alguém com quem se pode ter uma boa discussão. Fka dret.
Pura eu disse…
Pois é, João. Concordando, ou discordando, o que não é o caso da vez, as discussões devem existir e persistir.


Abraço
Prezada Margarida, parabéns pelo comentário. A propósito,sabes de alguma maozinha espanhola na construção da Real Fortaleza? E o pior é que a imprensa crioula por pouco não dá uma recepção para comemorar o feito!!!!
cai mal, nada!

cai muito bem.
O combate à estultícia nunca pode ser mal-visto.


csd
cai mal, nada!

cai muito bem.
O combate à estultícia nunca pode ser mal-visto.


csd
Pura eu disse…
o "cair mal" do texto é ironia, cara confrade.

Concordo em pleno.

SDC

MF

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…