Avançar para o conteúdo principal

L(atitudes) precisa-se

trabalhador negro















"Latitudes" é um programa semanal concebido por uma produtora independente e emitido pela RTP África (canal aberto em Cabo Verde), que explora conteúdos ligados aos emigrantes africanos em Portugal. Esse programa é feito por jornalistas interessados, com reportagens pertinentes, mas o mesmo não se poderá dizer das apresentadoras escolhidas para o espaço. Desde o afastamento, por motivos de doença, do malogrado jornalista Raúl Durão que "Latitudes" não conseguiu uma apresentação à altura. As entrevistas variam entre o terreno movediço do desconhecimento e as armadilhas do preconceito. As reportagens sempre conseguem alavancar o espaço a ponto de cativar a atenção dos telespectadores mais interessados. Mas quero crer que existem deslizes imperdoáveis e, ontem, aconteceu um deles.
O convidado era Jorge Carvalho, Chefe da Missão Para-olímpica Portuguesa e a edição era dedicada aos atletas de origem africana que irão representar Portugal nos Jogos Olímpicos de Pequim. Havia também uma outra reportagem sobre os atletas deficientes de Angola que estavam, em trânsito por Portugal, a caminho da China.
No decorrer da entrevista, a apresentadora (jornalista?) jogou essa pérola: "assistimos ao sucesso no desporto dos africanos em geral: quenianos, afro-americanos. Existe alguma característica genética especial que leva a isso?" O entrevistado, visivelmente embaraçado, tentou mostrar à senhora que para ao bom atleta era preciso dedicação, treinar muito, endurance. E que na história da humanidade nunca se conheceu outro método que não seja esse para se conseguir sucesso no desporto.
Em verdade, tem sido recorrente a visão rácica, senão mesmo racista, do desporto e da capacidade desportiva afecta à origem racial. As teorias, desde Montesquieu, passando para as de Gobineau e de Chamberlain, caíram por terra, tanto pela razão da ciência como pela ciência da razão. Disparates como o branco mais racional e o negro mais emocional, o branco mais cerebral e o negro mais sexual, o branco mais forte e o preto mais resistente, hoje são inconcebíveis pela opinião pública e já não entram na pauta dos jornalistas que se prezam. Somente mentes preguiçosas, desatentas e preconceituosas se predispõem em pleno século XXI a propagar, mormente através do jornalismo, tamanho desajuste de pensamento. A apresentadora em questão, cometeu o erro estrutural, perante o silêncio dos que já perderam a indignação nesta nossa opinião pública.
Enquanto a caravana e a sua cartilha passam, os "intelectocratas" locais preferem combater a "manada caseira" e vilipendiar (como narciso fazia) por erros de português (a nossa segunda língua) os jornalistas da TCV.

foto: Adenor Gondin

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…