Avançar para o conteúdo principal

4 anu di blog

aniversário

















No dia 31 de Agosto de 2004, incentivada por amigo, abria Os Momentos, um blog constantemente tentado pelo jornalismo, e dado a reflectir sobre a cultura no seu sentido vivente, não descurando um olhar sobre os media, com forte enfoque na televisão. Nesses exactos quatro anos de estrada feitos de amizades, encontros, partilhas e reflexões escrevi quinhentos e cinco desabafos, alguns emprestados de penas que me são existencialmente queridas: sou tentava a nomear Pablo Neruda, Ferreira Gullar, Marguerite Duras, Clarice Lispector, Assis Brasil, Maiakovski, Nabokov, Jorge Luís Borges…
Também deixei por aqui frases soltas que alguém entendeu serem poemas, e hoje algumas figuram na Antologia poética Hora di bai, organizada por Francisco Fontes.
Fiz muitas amizades, algumas ilustres, outras também ilustres, revestidas de homem invisível, anónimo protector, amigo desconhecido, companheiros e companheiras... E assim vai continuar esse meu eterno Setembro, também aqui com outras estórias.

Comentários

Edy disse…
Parabens miúda!!!
Deixei de ser Kal-El,deixei de vir cá visitar-te "revistido de homen invísivel" (bem,confesso que nem sempre)...espero continuar a ter o privilégio de continuar a aprender sempre comese teu sítio...pelo menos mais 4 anos"
Bjs
M.J.M. disse…
PARABÉNS, Marga! E que venham mais quatro anos e mais quatro e, depois, mais quatro e...
Pura eu disse…
Obrigada, pessoal.

Dois dos ilustres que conheci através do blog: o primeiro deixou de ser invisível, mas continua virtual, já o segundo foi longamente virtual, depois conheci-o melhor lendo os seus livros, e por fim visitou a Praia para uma jornada jornalística. Tornou-se um amigo e confidente dos dias que passam.

Grande abraço aos queridos Jorge e Edy.
Luis Eme disse…
parabéns atrasados, Margarida.

gostei muito destes momentos...
Pura eu disse…
Luis, Os momentos recebe os parabéns durante todo o mês de Setembro, portanto, não estás atrasado. (risos)

Que bom que gostastes...
Albertino disse…
Parabéns pelos bons momentos e continuação de bons momentos
Pura eu disse…
Obrigada, Albertino.
Bons momentos também para ti junto dos teus explêndidos sapatos.

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945