Avançar para o conteúdo principal

O Atentado














"Não há felicidade sem dignidade e não há sonho possível sem liberdade..."

"Não devolvemos à rosa a sua graça ao pô-la numa jarra, desnaturamo-la; julgamos embelezar o nosso salão mas, na realidade, apenas desfiguramos o seu jardim..."

"Podem tirar-te tudo, os teus bens, os teus anos mais belos, todas as tuas alegrias e todos os teus méritos, até à última camisa, mas restar-te-ão sempre os sonhos para reinventar o mundo que te confiscaram..."

Frases que ilustram dois mundos que nunca se cruzam. Estão em diferentes páginas do livro O Atentado de Yasmina Khadra. Uma narrativa fulminante que mostra o drama de um cirurgião árabe naturalizado israelita, que dedica a vida à sua esposa amada e a uma carreira distinta de cirurgião. De repente, num intenso dia no hospital, provocado por um atentado, descobre que a bombista suicida é a sua propria mulher. Daí em diante, depois do grande choque, regressa às contradições, e à humilhação de que fugira a vida toda. Uma história viva e cativante.

Comentários

José António disse…
As frases tornam o livro apetecível. Vou espreitá-lo para o resto das férias.
Pura eu disse…
Faça isso... garanto-lhe que é mais uma bela forma de perder tempo.
Kal-El disse…
Viva miúda,
tudo bem por aí?
Até à 1 mês atrás,se me tivesses perguntado,era capaz de dizer-te que o meu livro preferido é o "Cem Anos de Solidão" seguido de uns tantos do Jorge Amado.Mas isso era até ter lido o livro que vou ter o atrevimento de te recomendar:"Gente Independente".
O autor é um antigo prémio Nobel norueguês,HALLDOR LAXNESS.Esse é daqueles que marcam.Bjs
Pura eu disse…
Meu caro Ka-el...
...antes de tudo, devo remarcar a tua ausência como um caso repreensível...posto isso, agradeço o "atrevimento" e prometo agir em conformidade.

Beijos
Kal-El disse…
miúda,
quem disse que estive ausente?acredita que nao estive...venho cá ao teu sitío todos os dias,embora travestido de "homen invesível".Deixa-me saber se não conseguires o livro de Haldor Laxness..bjs
Pura eu disse…
Penitencio-me pela desmerecida repreensão. Vou procurar o livro em dois sitios da cidade, se não o encontrar... darei um sinal, usando métodos especiais para contactar um invisível. bjs

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945