Avançar para o conteúdo principal

Mudança de táctica

















- Decidi que quero ser artista. Não me persegue, mulher!


Assistia, domingo, ao resumo da semana no Repórter África, emitido na RTP África, e, de repente, eis que surge numa peça sobre uma reunião camarária na Cidade da Praia, uma ilustre munícipe a dizer que os praienses são autênticos “selvagens e mal educados”, e que parecem gente que nunca lidou com a autoridade. De registar que a senhora é ilustre, mereceu ouvido, e teve até direito a entrevista para dizer essas pérolas que vão contribuir, sobremaneira, para a resolução dos problemas das construções clandestinas!

Anu!

Mas Os momentos que está prestes a completar 4 anos de vida, parafraseando Corsino Fortes, declara-se de boca concêntrica, e pretende, a partir de Setembro, reagir friamente a esses floridos de pensamento, e dedicar-se, exclusivamente, quem sabe, a uma carreira artística qualquer. Já tem em vista uma galeria na Capital, o que faz crer serem as artes plásticas o seu novo campo de eleição. Mas, dizia…

“Depois da hora zero
E da mensagem povo no tambor da ilha
Todas as coisas ficaram públicas na boca da república
As rochas gritaram árvores no peito das crianças
O sangue perto das raízes
E a seiva não longe do coração”

Corsino Fortes

Comentários

Redy Wilson Lima disse…
Também vi e ouvi o que a senhora disse e sinceramente, penso que não disse nenhuma mentira.
Acredita que já ouvi coisas bem mais piores, de gente muito mais ilustre, tanto aqui como no estrangeiro, e trata-se apenas de opiniões.
Inclusive existe um programa na SIC Notícias intitulado opinião pública onde estas preciosidades aparecem a cada minuto.
Edy disse…
Oi miúda,
acabei de responder ao teu comentário no "alibemtempu"...pois é,eu também vi essa pérola mas confesso que não conheço a senhora e não fazi ideia que é uma ilustre praiense...Paraben pelos 4 aninhos...depois mando a tua prenda...
Parabéns pelo Blogue.
É muito bonito, gosto do que leio e vejo.
Um abraço desde Portugal
Pura eu disse…
Redy, há formas de dizer "certas verdades" quando a nossa intenção é ajudar: e me pareceu que a senhora foi convidada nesse sentido, para dar contribuições: por isso, a apelidei de ilustre Edy :)
Um abraço Anastácio. Volta sempre.

Margarida
Redy Wilson Lima disse…
É verdade, mas pelo que entendi a afirmação que os praienses estão cada vez mais brutos e selvagens foi uma opinião expressa fora do encontro (foi mais um desabafo do qual tenho a mesma opinião) com a CMP.
Lá dentro penso que ela deu a sua contribuição como técnica.
Pura eu disse…
Mas como a peça não foi algo alheio ao encontro, depreende-se, pelo tom da técnica, que a sua contribuição não terá sido diferente, e, a todos os títulos, condenável.
Edy disse…
Redy,o interessante nas afirmações como esta de os praienses estarem "cada vez mais brutos e selvagens" e outros parecidos é que esses tipos de discursos ou afirmações separa artificialmente um "Nós" de "Outros" (sabemos quem é o "nós" e quem são os "outros"),implica a diferenciação do "agora" com o "antes" onde "os praienses não seriam nem brutos nem selvagens"...

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945